Penhoras da Segurança Social em máximos desde 2011

  • ECO
  • 29 Outubro 2019

A Segurança Social solicitou, em 2017, 531.759 penhoras para fazer face a dívidas. Foi possível recuperar 605 milhões de euros em dívidas e mais de metade dos pagamentos foram feitos em prestações.

Mais de meio milhão de penhoras de contas bancárias, IRS, IVA, créditos e outros foram pedidas pela Segurança Social, em 2017, para fazer face a dívidas. Este é o valor mais alto desde 2011. No ano em causa, a recuperação de dívida atingiu 605 milhões de euros.

Segundo o relatório de Conta da Segurança Social de 2017, divulgado com alguns meses de atraso e consultado pelo Diário de Notícias (acesso livre), “no seguimento da ação coerciva das secções de processo, foram solicitadas penhoras sobre os processos em condições legais para o efeito, representando 531.759 penhoras, sendo que estas ordens de penhora estão associadas a um valor total de 7 mil milhões de euros”.

Recuperação anual de dívida por tipo de pagamento – 2006/2017

Fonte: Relatório da Conta da Segurança Social

No que toca ao valor total associado, cerca de sete mil milhões de euros, é também um dos mais elevados, sendo ultrapassado apenas em 2015, quando atingiu os 8,8 mil milhões de euros. Relativamente à recuperação da dívida, que em 2017 totalizou 605,1 milhões de euros, ficou em larga medida a dever-se às ações coercivas. O relatório revela ainda que um terço da cobrança resultou por esta via (32,8%), já os pagamentos voluntários representaram 14,7% do valor recuperado.

Mais de metade dos pagamentos à Segurança Social foi feito em prestações (51,8%), o que representa um aumento de 3,7 pontos percentuais face ao ano anterior e totalizando um montante de 313 milhões. Por outro lado, os pagamentos voluntários não ultrapassaram os 89 milhões de euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Penhoras da Segurança Social em máximos desde 2011

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião