PME vão ter regras mais simples na bolsa de Lisboa

O estatuto de SME Growth Market, desenvolvido no âmbito da DMIF II, foi concedida à Euronext pelas autoridades tanto em Portugal, como também Bélgica, França e Irlanda.

A Euronext, empresa que gere a bolsa de Lisboa, ganhou o estatuto de SME Growth Market, tanto no segmento acionista como obrigacionista. Esta classificação pretende facilitar o acesso de pequenas e médias empresas (PME ou SME, na sigla em inglês) ao mercado de capitais, através de prospetos mais simples e isenção de determinadas obrigações.

O novo estatuto permite às PME beneficiarem de processos simplificados no que diz respeito a duas legislações: Regulação de Prospetos e Regulação do Abuso de Mercados, segundo anunciou esta terça-feira o grupo, em comunicado. Por um lado, as PME podem recorrer a prospetos iniciais e de admissão mais pequenos que as restantes empresas. Por outro, ficam isentos de determinadas obrigações no regime de deveres de informação.

“No fundo é um reforço do nosso compromisso para com as PME e o financiamento às PME, sendo que este é um segmento que já há vários anos temos vindo a promover, a incentivar e a adequar as regras e os requisitos de admissão de modo a que as empresas com estruturas mais pequenas possam ter um acesso mais facilitado ao mercado de capitais“, afirmou a esse propósito Filipa Franco, diretora de admissões da Euronext Lisbon, lembrando que com o estatuto de SME Growth Market os prospetos são “tipicamente um dos aspetos mais assustadores quando uma empresa pensa ir para o mercado”.

A responsável da Euronext acredita que esta nova abordagem ao mercado poderá captar o interesse de listagem por parte de empresas sobretudo de três setores: empresas tecnológicas, familiares e os REIT (Real Estate Investment Funds).

"No fundo é um reforço do nosso compromisso para com as PME e o financiamento às PME, sendo que este é um segmento que já há vários anos temos vindo a promover, a incentivar e a adequar as regras e os requisitos de admissão de modo a que as empresas com estruturas mais pequenas possam ter um acesso mais facilitado ao mercado de capitais.”

Filipa Franco

Diretora de admissões da Euronext Lisbon

Atualmente, todo o grupo Euronext tem 1.109 PME cotadas nos seus mercados, sendo que 300 entraram nos últimos cinco anos (das quais 50% são do setor da tecnologia).

“Tornar-se um SME Growth Market irá equipar ainda mais a Euronext Growth com as ferramentas necessárias para fazer crescer o perfil e visibilidade das PME em bolsa. Em linha com a expansão pan-europeia, o estatuto de PME Growth Market irá fortalecer a ambição da Euronext de criar um mercado harmonizado”, afirmou Stéphane Boujnah, CEO e chairman do board da Euronext, sobre o estatuto, desenvolvido no âmbito da revisão da Diretiva dos Mercados e Instrumentos Financeiros (DMIF II), que foi concedida à Euronext pelas autoridades em Portugal, Bélgica, França e Irlanda.

A empresa tem apostado na captação de empresas mais pequenas para a bolsa, incluindo a de Lisboa. Um dos objetivos definidos no plano estratégico da Euronext para os próximos três anos passa por criar uma parceria com empresas de private equity e capital de risco para facilitar a entrada de startups na bolsa.

Ou seja, no momento em que os investidores privados querem sair do capital das startups, a possibilidade de abrir o capital em bolsa surge como uma opção. As bases da iniciativa serão a partilha de informação sobre a leitura do mercado para cada empresa e mercado, acrescentou Ucha sobre o projeto que ainda não tem data para avançar e que irá junta-se a outras iniciativas focadas nas startups, como é o caso do programa de formação para tecnológicas TechShare ou as equipas de angariação do Tech Hub.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PME vão ter regras mais simples na bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião