Arábia Saudita dá o pontapé de saída para o maior IPO de sempre com a venda da petrolífera Aramco

  • ECO
  • 3 Novembro 2019

Este domingo, a Arábia Saudita deu oficialmente o pontapé de saída à venda em bolsa da empresa mais lucrativa do mundo, a petrolífera Aramco.

A Arábia Saudita deu início este domingo à operação de venda em bolsa da empresa mais lucrativa do mundo, a petrolífera Aramco, avança a Bloomberg. A venda em bolsa desta empresa é uma peça-chave na estratégia da Arábia Saudita para a reforma daquela economia e poderá abrir a porta a alívios fiscais. A distribuição de dividendos é uma das formas de atrair os investidores.

As ações da empresa deverão começar a ser vendidas em dezembro na bolsa de Riade. A avaliação da empresa será feita durante o roadshow que a petrolífera vai fazer junto de investidores como forma de captar interessados, avançou o chairman da empresa, Yasir Al-Rumayyan numa conferência de imprensa na sede da companhia.

“Penso que esta é a altura certa para nós”, afirmou o responsável máximo da petrolífera, acrescentando que ainda está em aberto qual será a percentagem de investidores estrangeiros face aos nacionais. O prospeto com as condições da operação será conhecido a 9 de novembro.

A Aramco é responsável por 10% do petróleo mundial e gera o lucro mais elevado a nível mundial, avaliado em 111 mil milhões de dólares. O valor da operação de venda em bolsa deverá estar nos 2 biliões de dólares, mas a Arábia Saudita está disposta a aceitar um valor abaixo deste, entre 1,6 e 1,8 biliões de dólares.

A venda da petrolífera está inserida no plano de reforma da economia da Arábia Saudita, em que um dos eixos da estratégia do Príncipe Mohammed passa pela redução da dependência daquela economia face à exportação de petróleo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arábia Saudita dá o pontapé de saída para o maior IPO de sempre com a venda da petrolífera Aramco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião