AdC lucra quase 10 milhões à conta do cartel nos seguros

A Autoridade da Concorrência lucrou quase 10 milhões de euros no ano passado. Resultados dispararam 535% com os 12 milhões de euros do acordo alcançado com a Fidelidade.

A Autoridade da Concorrência viu os lucros dispararem no ano passado. Com a coima de 12 milhões de euros paga pela Fidelidade, no acordo alcançado no âmbito do cartel dos seguros, o regulador liderado por Margarida Matos Rosa registou lucros de quase 10 milhões de euros em 2018, um aumento de 535% face ao ano anterior.

De acordo com o relatório e contas publicado em Diário da República, a AdC apresentou um resultado líquido no valor de 9.965.049,41 euros no ano passado. Este valor compara com os 1,569 milhões de euros alcançados um ano antes. Ou seja, os lucros multiplicaram-se mais de seis vezes, à conta do cartel dos seguros, elevando o património líquido da AdC para 26,09 milhões de euros.

Os rendimentos da AdC registara, em 2018, um acréscimo de 71% face ao ano anterior. “Os impostos e taxas tiveram um acréscimo de 884 % face ao período homólogo”, refere o relatório, salientando que este aumento “deve-se à contabilização de quatro decisões condenatórias em 2018, cujos rendimentos dessas coimas aplicadas ascenderam a 6.912.675,72 euros”.

Entre essas decisões condenatórias está o acordo alcançado no cartel dos seguros. No final do ano passado, a Fidelidade e a Multicare, seguradoras do grupo liderado por Jorge Magalhães Correia, chegaram a acordo com o regulador no âmbito da acusação de cartelização nos seguros de acidentes de trabalho, saúde e automóvel junto do segmento de grandes clientes empresariais. Com o acordo, as seguradoras tiveram de pagar 12 milhões de euros

A AdC nota que ao mesmo que tempo que as receitas cresceram, os custos caíram. Houve “um decréscimo de 5% registado no total dos gastos em 2018”, isto apesar de a rubrica dos “gastos com pessoal ter apresentado um ligeiro aumento de 7% face a 2017. Esta variação deve-se ao aumento do número de colaboradores”, explica Margarida Matos Rosa, salientando que é aos trabalhadores que se devem estes resultados.

“Os resultados alcançados em 2018 refletem o empenho dos trabalhadores da AdC, baseado nas suas competências, capacidade de trabalho e dedicação colocados ao serviço da instituição e da defesa e promoção da Concorrência”, diz a presidente da AdC no relatório e contas publicado em Diário da República.

(Notícia atualizada às 10h43 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AdC lucra quase 10 milhões à conta do cartel nos seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião