BCP dispara 3% após melhores resultados em 12 anos

O BCP dispara mais de 3% após divulgar lucros de 270 milhões de euros até setembro, mas tal não está a ser suficiente para impedir perdas em Lisboa. Recuo da Nos pesa no PSI-20.

O BCP está em destaque na bolsa. As ações disparam mais de 3%, para máximos de três meses, depois de ter divulgado lucros de 270 milhões de euros até setembro, os melhores resultados em 12 anos. Está a dar força ao PSI-20 que, contudo, sente o peso das quedas da Altri e também da Nos, depois das fortes subidas recentes.

O PSI-20 perde 0,11%, para os 5.290,87 pontos, em linha com o rumo dos pares europeus que corrigem após as fortes subidas de quinta-feira, dia em que foram revelados progressos nas negociações entre os EUA e a China sobre a retirada das tarifas.

Por cá, o BCP é o principal destaque positivo, com as suas ações a somarem 3,16%, para os 22,20 cêntimos, máximos de agosto. A forte subida acontece depois de o banco liderado por Miguel Maya ter revelado na quinta-feira os melhores resultados dos últimos 12 anos. O BCP acumulou até setembro lucros de 270 milhões de euros.

Mas não foi só o BCP que apresentou contas. Também a Altri divulgou o balanço da sua atividade, tendo reportado lucros de 22,8 milhões de euros no terceiro trimestre, tendo dado conta da “descida contínua do preço de venda da pasta BHKP”. Tal teve um efeito negativo sobre as suas receitas que caíram 15%.

As ações da papeleira estão a refletir esses resultados, registando uma desvalorização de 1,61%, para os 5,80 euros, contribuindo para o rumo negativo do PSI-20 nesta sessão.

Contudo, a maior pressão é exercida pela Nos, com as suas ações a liderarem as perdas do PSI-20, com um recuo de 2,3%, para os 5,305 euros, corrigindo do forte ganhos de quase 5% na sessão anterior, após os resultados.

(Notícia atualizada às 8h28 cm mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP dispara 3% após melhores resultados em 12 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião