Brexit. Banco Europeu de Investimento perde “grande parceiro” mas garante estar preparado

  • Lusa
  • 11 Novembro 2019

A saída do Reino Unido da União Europeia “é uma grande perda para nós, mas a maior perda será para as pessoas do Reino Unido”, reitera o presidente do Banco Europeu de Investimento.

O presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI) disse esta segunda-feira que a instituição perde “um grande parceiro” com a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), mas “está preparada” para a perda, que será colmatada pelos restantes Estados-membros.

“Há rumores de que o Reino Unido talvez saia um dia da UE. Deixámos de especular quando isso acontecerá, mas estamos preparados”, declarou Werner Hoyer, numa alusão ao impasse no processo.

Falando numa visita de jornalistas estrangeiros às instituições europeias no Luxemburgo, entre as quais o BEI, o responsável não deixou de lamentar a saída: “Vamos perder um grande parceiro”. Porém, continuou, “é uma grande perda para nós, mas a maior perda será para as pessoas do Reino Unido”, país no qual o BEI tem, de momento, investidos cerca de 55 mil milhões de euros.

Werner Hoyer explicou que, “após um processo [de negociações] difícil e doloroso”, os restantes 27 Estados-membros conseguiram chegar a acordo sobre uma fórmula para aumentar as suas contribuições para o BEI através da transformação de parte das suas reservas em capital, o que no final permite manter o capital social da instituição, mesmo com um acionista a menos.

Com isto, “conseguimos reduzir um pouco [o impacto da saída] e recuperar logo de seguida”, considerou o responsável, agradecendo ao negociador-chefe da UE para o ‘Brexit’, Michel Barnier, pelo “que conseguiu” com o Acordo de Saída alcançado.

O capital social total do BEI – com base em contribuições dos 28 Estados-membros – é, de momento, de perto de 243 mil milhões de euros, cerca de 40 mil milhões de euros dos quais provêm do Reino, tanto em dinheiro (3,5 mil milhões de euros) como em reservas (o restante).

Com a saída do Reino Unido da UE, o BEI perderá um dos seus maiores acionistas e, se nada fosse feito, perderia uma capacidade de empréstimo em 100 mil milhões de euros. Por essa razão, a transformação de reservas em capital foi a solução encontrada. Werner Hoyer indicou que três Estados-membros já decidiram aumentar as suas reservas de capital no banco.

“A Polónia, Roménia e Luxemburgo estão a considerar fazê-lo”, referiu o presidente do BEI, admitindo que “foi difícil atingi-lo”. “Os nossos investidores não querem saber se [a reposição do espaço deixado pelo Reino Unido] acontece no dia a seguir ao ‘Brexit’, mas querem ter a certeza de que o dinheiro é reposto”, adiantou Werner Hoyer. O Reino Unido tinha previsto sair da UE em 31 de outubro, mas acabou por aceitar um novo prolongamento até 31 de janeiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit. Banco Europeu de Investimento perde “grande parceiro” mas garante estar preparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião