Brexit é o maior erro da política externa britânica desde a II Guerra Mundial, diz Bercow

  • Lusa
  • 6 Novembro 2019

John Bercow cessou funções enquanto speaker da Câmara dos Comuns do parlamento britânico na semana passada. Garantiu que sempre foi imparcial.

O antigo presidente da Câmara dos Comuns do parlamento britânico, John Bercow, defendeu esta quarta-feira que o ‘Brexit’ é o maior erro da política externa britânica desde a II Guerra Mundial e garantiu que foi imparcial enquanto esteve em funções.

“Já não sou ‘speaker’, não tenho de continuar a ser imparcial, e se me perguntarem o que penso honestamente sobre o ‘Brexit’, se é bom para a nossa reputação internacional, a resposta honesta é não. Considero o ‘Brexit’ o maior erro de política externa depois da II Guerra Mundial”, afirmou esta quarta-feira em Londres, numa conferência de imprensa organizada pela associação de jornalistas estrangeiros.

Na sua leitura, o mundo é feito de blocos de poder e de blocos comerciais e o Reino Unido tem a ganhar se estiver nestes blocos. Bercow acrescentou que a “incerteza prolongada” causada pela demora do processo de saída da União Europeia (UE) é mau para o investimento e confiança económica.

Porém, defendeu “o direito do Parlamento [britânico] de ‘parler’ [falar em francês] porque é melhor fazer bem do que fazer depressa”, acrescentando: “O Parlamento tem todo o direito de continuar a debater o assunto”.

Segundo Bercow, existem três formas de concluir a primeira fase do Brexit: sair da UE com um acordo aprovado pela Câmara, sair da UE sem acordo, mas com uma decisão explícita do Parlamento, o que considera “improvável e muitíssimo indesejável, mas que seria legítima”, e estender o artigo 50.º para continuar as negociações.

“Até agora foi isso que aconteceu, vamos ver se vai acontecer de novo. Sem dúvida que as eleições vão ser um fator importante. Se houver uma maioria conservadora, provavelmente não vai haver outra extensão“, referiu.

Bercow recusou ter ajudado os deputados a favor da permanência do Reino Unido na UE a bloquear o processo do ‘Brexit’, lembrando que deu sempre a palavra aos eurocéticos durante muitos anos.

A esse propósito, lembrou que chegou a escolher uma emenda ao programa legislativo do governo de David Cameron, em 2013, a favor de um referendo “porque tinha muitas assinaturas e era uma proposta legítima para colocar à Câmara dos Comuns”. A proposta foi rejeitada na altura por 277 votos contra e 130 a favor após um debate de seis horas.

“Há quem diga que fez parte de uma sequência de eventos que forçou David Cameron a mudar de ideias e decidir realizar um referendo”, referiu, reiterando que sempre procurou tratar os dois lados da discussão de maneira justa. “Fui imparcial”, garantiu.

Deputado pelo Partido Conservador desde 1997 e presidente da Câmara dos Comuns desde 2009, John Bercow cessou funções na sexta-feira, tendo sido substituído pelo trabalhista Lindsay Hoyle numa eleição realizada na segunda-feira entre os deputados.

John Bercow tornou-se uma celebridade mundial pelas suas gravatas coloridas, voz alta para pôr ordem nos debates parlamentares e decisões controversas durante o processo do ‘Brexit’. Alguns deputados ficaram tristes por vê-lo partir por ver nele um defensor das minorias e da modernização do Parlamento, permitindo que deputados confrontassem mais frequentemente o governo sobre matérias controversas.

Porém, uma outra fação, sobretudo composta por antigos colegas conservadores, criticou-o por ter tomado decisões contrárias ao costume que prejudicaram o processo do ‘Brexit’, levando a vários prolongamentos da data inicial de 29 de março para a atual de 31 de janeiro.

O biógrafo de Bercow, Sebastian Whale, descreveu Bercow como “divisivo, abrasivo e polémico”, mas até o primeiro-ministro, Boris Johnson, reconheceu que foi “um grande servo” do Parlamento e da Câmara dos Comuns.

O ‘speaker’ é responsável por presidir aos debates na câmara baixa do parlamento britânico, decidir quem tem a palavra, selecionar propostas de alteração a legislação, autorizar debates urgentes em plenário ou com certos ministros e exercer o voto decisivo em caso de empate. Para garantir a isenção partidária, é obrigado a renunciar ao seu partido político, apesar de continuar a representar o respetivo círculo eleitoral.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit é o maior erro da política externa britânica desde a II Guerra Mundial, diz Bercow

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião