Reino Unido evita recessão mas cresce ao ritmo mais baixo desde 2010

A economia britânica cresceu 0,3% no terceiro trimestre, evitando a recessão técnica após a queda no segundo trimestre do ano, mas o ritmo de crescimento anual foi o mais baixo desde o início de 2010.

A economia britânica cresceu 0,3% no terceiro trimestre deste ano, em comparação com o trimestre anterior, o que permitiu evitar a recessão técnica, graças a um crescimento dos setores dos serviços e da construção, mas nem tudo são boas notícias: em comparação com o crescimento verificado há um ano, a economia britânica está a crescer ao ritmo mais lento desde o início de 2010.

Depois de no segundo trimestre ter contraído 0,2%, a economia britânica afastou o fantasma de uma recessão no imediato. Segundo o instituto de estatística britânico, a economia cresceu 0,3% entre julho e setembro — o primeiro trimestre com Boris Johnson à frente do Governo –, com o setor dos serviços a crescer 0,4% e a construção outros 0,6%.

No entanto, os dados não são assim tão animadores. Em primeiro lugar, porque este crescimento foi possível maioritariamente devido a um mês de julho mais forte, já que no mês de setembro — o último do trimestre em análise — a economia britânica contraiu 0,1%.

Em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a economia britânica cresceu 1%, um valor inferior aos 1,3% que tinha registado no segundo trimestre do ano e o mais baixo da última década.

“O PIB cresceu de forma estável no terceiro trimestre, maioritariamente devido a um mês de julho forte. (…) Analisando os dados ao longo do último ano, nota-se que o crescimento abrandou para o ritmo mais lento da última década“, explicou um porta-voz do Office for National Statistics.

A produção industrial estagnou no terceiro trimestre, com oito dos subsetores a apresentarem quedas. Só o crescimento expressivo da produção de material de transporte (6,2%) impediu uma queda na produção industrial. Os dados do instituto de estatística demonstram que a produção ainda não recuperou para os níveis que se verificavam antes da crise.

A economia britânica continua a ser afetada pela incerteza em torno do processo de saída do Reino Unido da União Europeia. Depois do acordo alcançado entre Boris Johnson e a União Europeia, o Parlamento britânico não permitiu a aprovação do acordo no tempo necessário para que o Brexit acontecesse até 31 de outubro e o Governo foi forçado a pedir um novo adiamento.

A União Europeia concedeu o terceiro adiamento da data e deu até 31 de janeiro para o Reino Unido aprovar o acordo no Parlamento e concretizar o Brexit, um processo que se arrasta desde o referendo realizado no verão de 2016. Na sequência do adiamento, o Parlamento britânico aprovou o pedido de Boris Johnson para convocar eleições antecipadas para o próximo dia 12 de dezembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido evita recessão mas cresce ao ritmo mais baixo desde 2010

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião