CIP vota hoje revisão de estatutos que permite mais um mandato a António Saraiva

  • Lusa
  • 11 Novembro 2019

Mudança estatutária fará com que a direção “inicie agora um novo limite de mandatos até nove anos”, equivalentes a três mandatos de três anos, mas o presidente da CIP disse que só ficará por mais um.

Os associados da CIP – Confederação Empresarial de Portugal votam hoje, em assembleia-geral, uma proposta de alteração aos estatutos que irá permitir ao atual presidente, António Saraiva, recandidatar-se a mais um mandato de três anos à frente da organização.

António Saraiva disse à Lusa que a proposta fará com que a direção da CIP “deixe de ter competências delegadas pelo conselho geral”, passando a ser um órgão próprio, eleito diretamente pelos associados.

Esta mudança estatutária fará com que a direção “inicie agora um novo limite de mandatos até nove anos”, equivalentes a três mandatos de três anos, mas o presidente da CIP disse que só ficará por mais um.

“Aceitei o pedido de vários associados para que me recandidatasse, mas aceitarei apenas um mandato de três anos”, afirmou António Saraiva, que lidera a CIP há dez anos.

Segundo disse, as eleições dos órgãos sociais deverão ocorrer no final de março do próximo ano.

O presidente da confederação empresarial adiantou que a alteração estatutária está relacionada com o facto de ter chegado ao limite “o período de nove anos do acordo parassocial entre a CIP, AIP, AEP e Apifarma”, assinado em 2010.

António Saraiva deverá ficar assim como presidente da CIP até 2022, tendo como um dos principais desafios as negociações na Concertação Social com o Governo e as centrais sindicais CGTP e UGT.

Para quarta-feira está marcada a segunda reunião entre os parceiros sociais onde deverá ficar fechada a atualização do salário mínimo nacional para 2020, atualmente de 600 euros, com o Governo a ter como meta atingir os 750 euros em 2023.

Após a conclusão desta discussão, será iniciada uma negociação com vista a um acordo global sobre rendimentos e competitividade que António Saraiva quer ver concluído no primeiro trimestre do ano.

O presidente da CIP tem pedido “realismo” ao Governo na definição do valor do salário mínimo e exige medidas “igualmente ambiciosas” para que as empresas consigam ser competitivas, nomeadamente a nível fiscal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CIP vota hoje revisão de estatutos que permite mais um mandato a António Saraiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião