Woody Allen e Amazon fecham acordo em processo de 68 milhões

  • ECO
  • 11 Novembro 2019

O cineasta acusava a Amazon de romper contrato para a produção e distribuição de filmes, com base em acusações de abusos sexuais da filha adotiva. Termos do contrato não são conhecidos.

Woody Allen retirou a queixa contra a Amazon, a quem o cineasta norte-americano acusava de rutura abusiva de contrato, após ter fechado acordo com a empresa de comércio eletrónico. O realizador exigia à gigante norte-americana uma indemnização de 68 milhões de euros.

Os contornos do acordo foram fechados no final da semana passada, em tribunal, mas não são conhecidos mais pormenores, escreve a BBC (acesso livre, conteúdo em inglês). Woody Allen, de 83 anos anos, tinha avançado em fevereiro deste ano com um processo contra a retalhista Amazon a exigir 68 milhões de dólares (cerca de 61,69 milhões de euros à taxa de câmbio atual), por esta ter dissolvido um contrato milionário com base em alegações de que o cineasta teria abusado sexualmente da filha adotiva, Dylan Farrow.

Woody Allen, cineasta norte-americano, foi acusado de pedofilia pela filha adotivaColin Swan/Flickr

O realizador já tinha sido acusado em 1992 por Dylan Farrow, mas a queixa tinha sido arquivada. Anos mais tarde e com o surgimento do movimento de emancipação #MeToo, a filha adotiva apoiada pela mãe, Mia Farrow, e pelo irmão, Ronan Farrow, retomou as acusações.

Apesar destas acusações terem sido logo refutadas pelo cineasta, a polémica levou a Amazon a anular a exibição nos Estados Unidos da América de “A Rainy Day in New York“. Na queixa apresentada, Woody Allen acusava a Amazon de se ter recusado a pagar 9 milhões de dólares (cerca de 8,16 milhões de euros) previstos para o financiamento do primeiro filme. Além disso, foram ainda cancelados os planos existentes para a produção de outros três filmes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Woody Allen e Amazon fecham acordo em processo de 68 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião