Afinal, há consenso para os deputados únicos falarem no debate quinzenal já esta quarta-feira

O Parlamento apressou esta tarde um consenso para que os deputados únicos falem no debate quinzenal marcado para esta quarta-feira. Cada deputado fala 1,5 minuto.

Os deputados únicos do Chega, Livre e Iniciativa Liberal vão, afinal, intervir no debate quinzenal desta quarta-feira. Na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, que reuniu extraordinariamente para debater a polémica sobre as alterações ao regimento, os partidos à esquerda admitiram que os deputados únicos possam falar no debate quinzenal, antecipando já uma regra que será incluída numa revisão mais alargada do regimento do Parlamento. Estes deputados terão direito a 1,5 minutos.

Na conferência de líderes na semana passada ficou definida uma grelha de tempos que impedia os deputados únicos de falar no debate quinzenal, no respeito pelas regras do atual regimento, mas não transpondo para atual legislatura o regime de exceção adotado na anterior com o PAN, quando o partido de André Silva tinha apenas um deputado.

O tema gerou polémica e esta terça-feira o Parlamento reuniu a comissão de Assuntos Constitucionais com objetivo de analisar a revisão do regimento e ver se seria possível encontrar uma solução para esta questão.

O PS, um dos partidos que esteve ao lado da decisão de aplicar as regra atual de não deixar falar os deputados únicos, entregou entretanto uma proposta para dar um minuto aos deputados únicos nos debates quinzenais. E na comissão parlamentar acrescentou oralmente uma proposta para “antecipar a produção de efeitos” de questões consensuais como a que está em causa, disse o deputado socialista Pedro Delgado Alves. “Se chegarmos à conclusão que estamos de acordo não há razão para ficar à espera”, acrescentou.

Esta posição foi acompanhada pelo Bloco e PCP, que admitiram que a resolução dos tempos de intervenção fosse antecipada.

Luís Marques Guedes, o presidente da comissão e deputado social-democrata, concluiu que das intervenções desta tarde fica claro que há necessidade de “um regime transitório”. Os deputados dividem-se entre duas soluções possíveis: a que é defendida por mais partido e que passa por usar o regime de exceção que foi aplicado ao PAN ou a proposta do Iniciativa Liberal para que os DURP usem metade dos tempos do PEV.

Perante o consenso obtido na reunião da primeira comissão, o presidente da Assembleia da República deu como validade a regra transmitida por Marques Guedes para que aos novos partidos se aplique o regime transitório que foi usado com o PAN e que significa que falarão 1,5 minutos.

(Notícia atualizada às 19:12 com decisão do presidente da Assembleia da República)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, há consenso para os deputados únicos falarem no debate quinzenal já esta quarta-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião