PS quer dar um minuto a cada deputado único no debate com o primeiro-ministro

Depois da polémica sobre os tempos de intervenção dos deputados do Chega, Iniciativa Liberal e Livre, os socialistas entregaram uma proposta para mudar o regimento do Parlamento.

O PS quer dar um minuto a cada deputado único para intervir no debate quinzenal com o primeiro-ministro. A proposta faz parte de um projeto de regimento que os socialistas entregaram no Parlamento. Já o Chega quer que neste debate, os deputados únicos tenham dois minutos para intervir.

As propostas de alteração surgem depois de o Parlamento ter decidido aplicar a grelha de tempos prevista para os debates quinzenais no debate que acontece esta quarta-feira. Nesta grelha, que tem em conta as regras do regimento atual, os deputados únicos não têm direito a intervir neste debate.

Na semana passada, o PS, BE, PCP e Verdes decidiram que se aplicaria ao debate quinzenal desta semana a grelha de tempos prevista no regimento do Parlamento. Este facto causou indignação junto dos deputados únicos representantes até porque na legislatura passada foi aberta uma exceção, permitindo ao PAN – que na altura não era um grupo parlamentar, mas sim um deputado único – que interviesse nos debates quinzenais.

O PS argumenta que já no passado referira “que o caminho mais adequado deveria sempre passar pela expressa revisão do regimento com vista a criar normas estáveis, que evitassem fazer os deputados depender das decisões casuísticas de cada momento”.

O projeto de André Ventura defende porém que sejam dois minutos o tempo para falar.

Esta tarde a comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais vai reunir-se para discutir o primeiro projeto sobre regimento do Parlamento a dar entrada na Assembleia, da autoria do Iniciativa Liberal.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS quer dar um minuto a cada deputado único no debate com o primeiro-ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião