Lalanda e Castro terá “lavado” 70 milhões em sete anos

  • ECO
  • 12 Novembro 2019

Ex-administrador em Portugal da Octapharma, já acusado pelo Ministério Público no caso 'Máfia do Sangue', está a ser investigado por branqueamento de capitais.

Paulo Lalanda e Castro, o principal arguido do caso ‘Máfia do Sangue’ e ex-administrador em Portugal da farmacêutica Octapharma, continua a ser investigado pelas autoridades por suspeitas de fraude fiscal, avança o Correio da Manhã, que diz que as autoridades terão descoberto um complexo esquema financeiro que permitiu a Lalanda e Castro branquear capitais na ordem dos 70 milhões de euros em sete anos.

Na semana passada, o Ministério Público deduziu formalmente a acusação contra Paulo Lalanda e Castro, o ex-diretor do INEM Luís Cunha Ribeiro e outros cinco arguidos de crimes de corrupção nesta operação, que terão de enfrentar julgamento por suspeita da prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem, falsificação de documentos, abuso de poder e branqueamento de capitais.

O Ministério Público acusa Lalanda e Castro de ter negociado com Luís Cunha Ribeiro vários negócios para beneficiar a farmacêutica Octapharma — que chegou a empregar José Sócrates — em concursos públicos relacionados com o sangue.

No entanto, segundo o Correio da Manhã, as autoridades estarão ainda a prosseguir com a investigação relativamente às suspeitas de branqueamento de capitais, tendo descoberto um complexo esquema fiscal através do qual Lalanda e Castro terá usado contas em vários bancos no Panamá e a na Suíça para evitar pagar impostos.

As autoridades terão detetado movimentos de somas avultadas, alguns de milhões de euros, entre estas contas. Esta investigação ainda pode levar a novas acusações contra Lalanda e Castro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lalanda e Castro terá “lavado” 70 milhões em sete anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião