Glintt aumenta lucros em mais de 6%, para 956 mil euros

  • Lusa
  • 15 Novembro 2019

A tecnológica Glintt viu os lucros dos primeiros nove meses do ano subirem mais de 6%, para 956 mil euros, fruto do crescimento do negócio em Portugal e no estrangeiro.

Os lucros da tecnológica Glintt cresceram 6,3% até setembro deste ano, em relação ao período homólogo, fixando-se em 956 mil euros, revelou a empresa num comunicado enviado à CMVM.

No mesmo período, o volume de negócios do grupo atingiu 66,7 milhões de euros, um aumento de 6,4% quando comparado com os 62,7 milhões de euros do período homólogo, indicou a empresa, na mesma nota.

“Esta evolução teve origem quer no mercado nacional, com um crescimento de 4% (1,9 milhões de euros), quer no mercado internacional no qual se verificou uma evolução muito favorável, nomeadamente em Espanha, com crescimento de 16%, o que equivale a 2,2 milhões de euros”, explicou a Glintt. O volume de negócios no mercado internacional representou 26% do total da empresa, de acordo com a informação divulgada.

Nos primeiros nove meses de 2019, a Glintt registou um EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) de 7,8 milhões de euros, um acréscimo de 41,5% face ao período homólogo de 2018. “Este aumento reflete uma efetiva melhoria da performance operacional, cerca de 820 mil euros”, entre outras coisas, salientou o grupo.

O crescimento do EBITDA resultante da melhoria operacional foi consequência “em parte, do aumento do volume de negócios em cerca de quatro milhões de euros (cerca de 350 mil euros), mas sobretudo de uma melhoria da eficiência operacional refletida na melhoria da margem EBITDA de 8,8% para 9,5%”, indicou a empresa.

De acordo com a Glintt, este aumento da eficiência operacional deve-se ao “trabalho desenvolvido pela empresa ao longo dos últimos anos quer na adequação da oferta comercial aos mercados quer no investimento na qualificação, formação e organização do trabalho das equipas das várias unidades”, lê-se na mesma nota.

Para o futuro, a empresa mantém as metas que tem apresentado e que apontam para um “crescimento orgânico pensado e desenvolvido em torno do novo modelo operacional”, com foco na oferta, bem como “uma componente comercial forte, direcionada sobretudo para o setor da saúde e para aquelas áreas de maior valor acrescentado, onde as soluções e produtos Glintt permitam garantir competitividade e criação de valor”.

O grupo admite ainda um “crescimento inorgânico alavancado pelo estabelecimento de acordos e parcerias com relevância estratégica” para a empresa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Glintt aumenta lucros em mais de 6%, para 956 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião