Modelo económico do Google e Facebook é “ameaça” aos direitos humanos

  • Lusa
  • 21 Novembro 2019

Amnistia pede aos governos para que "atuem com urgência", incluindo através da "aplicação de fortes leis de proteção de dados e da regulamentação efetiva das atividades dos gigantes da tecnologia".

A Amnistia Internacional critica o modelo económico “baseado na vigilância” dos gigantes da internet Google e Facebook, considerando que é uma “ameaça sistémica aos direitos humanos”.

Num relatório, a organização não-governamental argumenta que, ao tornar os seus serviços em linha gratuitos, essenciais para milhares de milhões de pessoas, e ao utilizarem os dados pessoais recolhidos para publicidade direcionada, estes grupos ameaçam a liberdade de opinião e de expressão.

“O seu controlo insidioso das nossas vidas digitais mina a própria base da privacidade e é um dos maiores desafios de direitos humanos de nosso tempo“, disse Kumi Naidoo, secretário-geral da Amnistia, citado no documento.

Kumi Naidoo acrescentou que as pessoas estão “presas”.

“A Google e o Facebook corroeram gradualmente a nossa privacidade. Hoje estamos presos. Ou nos submetemos a esta vasta máquina de vigilância – onde os nossos dados são facilmente usados para nos manipular e influenciar – ou desistimos dos benefícios do mundo digital”, acrescentou.

Para o secretário-geral da Amnistia Internacional, a “extração e análise de dados pessoais, em proporções gigantescas”, não é compatível com o direito à liberdade.

Segundo a ONG, “a vasta arquitetura publicitária do Google e do Facebook é uma arma poderosa nas mãos erradas, porque pode ser utilizada para fins políticos e deixa o campo aberto a todo o tipo de novas estratégias publicitárias, como o ataque a pessoas vulneráveis que estão a combater doenças, perturbações mentais ou dependências”.

A Amnistia Internacional apelou aos governos para que “atuem com urgência”, incluindo através da “aplicação de fortes leis de proteção de dados e da regulamentação efetiva das atividades dos gigantes da tecnologia”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Modelo económico do Google e Facebook é “ameaça” aos direitos humanos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião