Hoje nas notícias: Vale do Lobo, Montepio e ferrovia

  • ECO
  • 22 Novembro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Norte quer usar os fundos europeus para modernizar a ferrovia e ligar ao TGV espanhol. Esta sexta-feira fica ainda marcada pela nota de que os associados arriscam-se a ter de resolver “buraco” no Montepio, de que as dívidas dos hospitais públicos está a chegar aos 700 milhões de euros e de que as empresas pouco valorizam as deduções fiscais para investir. E o banco público pediu à Nova SBE um estudo sobre créditos a Vale do Lobo.

CGD pede estudo à Nova SBE sobre créditos a Vale do Lobo

A administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) pediu um estudo ao Centro de Conhecimento de Finanças da Nova SBE para avaliar os pressupostos económicos e financeiros que permitiram a operação de de financiamento de 194 milhões de euros para o resort de luxo de Vale do Lobo, em 2006. Este estudo servirá de suporte a eventuais ações judiciais contra ex-gestores que participaram na decisão de financiar o empreendimento que gerou perdas de quase 300 milhões de euros para o banco público.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (acesso pago).

Associados arriscam-se a ter de resolver “buraco” no Montepio

Os mais de 600 mil associados e pensionistas do Montepio arriscam ver cortados em 30% os benefícios a que têm direito ou assumir um aumento de quotas de modo a reporem o equilíbrio financeiro da Associação Mutualista Montepio Geral e a compensarem as perdas que podem chegar mesmo aos 900 milhões de euros. O conselho geral do Montepio reúne-se esta sexta-feira pelas 15h00, pela primeira vez depois da saída de Tomás Correia da presidência executiva.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Norte quer fundos europeus para ligar ao TGV espanhol

A região norte do país antecipou, pela primeira vez, a lista de prioridades para os fundos europeus. Nesse âmbito, foram pedidos milhões de euros a Bruxelas para ligar a ferrovia dessa região ao TGV espanhol. A estratégia apresentada aponta a vontade de modernizar a ferrovia e ligar os portos do país.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Dívida dos hospitais está a chegar os 700 milhões

Os pagamentos em atraso dos hospitais públicos atingiram em setembro o valor mais alto verificado desde o início deste ano. As dívidas com mais de 90 dias já ascendem a 651,6 milhões de euros, o que equivale a uma fatia de 40,5% do total das dívidas as fornecedores. Isto segundo os dados disponíveis no Portal do Serviço Nacional de Saúde. “Os ministérios da Saúde e das Finanças continuam fortemente empenhados em obter um valor histórico na redução dos pagamentos em atraso no SNS e têm desenvolvido uma articulação próxima no sentido de ir ao encontro das necessidades do setor, mantendo a execução do plano de liquidação de pagamentos em atraso”, avança fonte do gabinete de Marta Temido.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Maioria das empresas desvaloriza deduções fiscais para investir

De acordo com um inquérito divulgado pela consultora Deloitte, a maioria das empresas não encara o reforço das deduções em sede de IRC — previstas no Orçamento do Estado deste ano — como um incentivo claro a investir. Das 130 empresas questionadas, a maioria salienta que essas mudanças foram irrelevantes, embora a avaliação feita às alterações ao IRC tenha melhorado ligeiramente face a 2018. De notar que, no Orçamento do Estado para 2020, o Executivo de António Costa pretende voltar a reforçar estas deduções fiscais para PME, aumentando o teto de lucros reinvestidos que podem ser objeto de dedução em sede de IRC.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Vale do Lobo, Montepio e ferrovia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião