Alexa: agora a assistente virtual emociona-se

A assistente criada pela Amazon é agora capaz de responder de forma mais intuitiva e emocional. As respostas expressivas melhoraram a experiência com a Alexa em 30%, dizem os utilizadores.

Um assistente virtual que interage por voz e tem a capacidade de reproduzir músicas, fazer listas de tarefas, configurar alarmes, dar informações sobre trânsito e temperatura, além de controlar os sistemas de aparelhos inteligentes e conectados? Sim, já existe e chama-se Alexa.

O mais recente ajudante criado pela Amazon é agora capaz de nos responder de forma intuitiva e emocional. A marca anunciou esta terça-feira que Alexa poderá responder aos utilizadores com emoção, conseguindo conversar com um tom de voz feliz ou desapontado, oferecendo, assim, uma experiência de voz mais natural ao consumidor.

Se os utilizadores responderem a uma questão incorretamente a Alexa pode reagir com tristeza. Por outro lado, caso ganhem um jogo, por exemplo, a assistente virtual reagirá com entusiasmo.

De acordo com o Business Insider, a Amazon explica que as emoções da Alexa são geradas devido à Neural TTS (Neural Text-To-Speech), uma tecnologia “de texto para fala” que torna o som do discurso mais natural e que a marca desenvolveu inicialmente para a Polly – a primeira oferta de conversão de texto em fala da Amazon.

A avaliação de satisfação feita pela Amazon aos utilizadores da assistente virtual indicou, recentemente, que a experiência com a Alexa melhorou em 30% quando as respostas passaram a ser mais expressivas e emocionais.

A partir de agora, a Alexa também será capaz de responder em diferentes intensidades. Tanto a felicidade quanto a deceção podem ser expressas em tons mais baixos, médios ou altos (no vídeo a voz fala num tom visivelmente otimista).

A Alexa recebeu ainda mais dois novos estilos de fala nas últimas atualizações — o estilo “notícias” e “música” — e ambos vêm com duas variantes a que a Amazon chama de “voz padrão” e “estilo de fala”. Não obstante, com estas inovações, além do estilo norte-americano, a Alexa terá também a possibilidade de se expressar no estilo noticioso australiano. O padrão de apresentação americano utilizado pela ajudante virtual na categoria “notícias” é claro e rápido, com uma entoação mais forte nas palavras importantes, tal e qual o estilo noticioso dos EUA. Contrariamente, o padrão de voz na categoria “música” é mais lento e descontraído.

A Alexa já tinha recebido novas vozes. Em janeiro deste ano a assistente virtual obteve uma voz de apresentação, para ler as notícias do dia, ao passo que, em outubro do ano passado, foi-lhe concedido o “modo sussurro”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alexa: agora a assistente virtual emociona-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião