Governo quer concluir acordo de rendimentos e competitividade no primeiro trimestre de 2020

  • Lusa
  • 27 Novembro 2019

Membros do Governo na Concertação Social estarão “disponíveis para ouvir” propostas relacionadas com a formação profissional e “medidas ao nível da fiscalidade”, garante Ana Mendes Godinho.

O Governo quer concluir no primeiro trimestre de 2020 o acordo global sobre rendimentos e competitividade que começa a ser discutido esta quarta-feira na Concertação Social, disse à Lusa a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

“O nosso objetivo é ter este acordo concluído no primeiro trimestre de 2020 e também que algumas medidas que forem consensualizadas entre os parceiros sociais possam já ter reflexo na proposta de Orçamento do Estado para 2020”, afirmou a governante.

O nosso objetivo é ter este acordo concluído no primeiro trimestre de 2020 e também que algumas medidas que forem consensualizadas entre os parceiros sociais possam já ter reflexo na proposta de Orçamento do Estado para 2020.

Ana Mendes Godinho

Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Ana Mendes Godinho sublinhou que a reunião de hoje da Concertação Social, marcada para as 10h00 no Conselho Económico e Social, em Lisboa, vai dar “o pontapé de saída” para “o acordo que procura obter o maior consenso possível por parte dos parceiros sociais”.

No arranque das negociações vão estar os vários temas que o Governo, centrais sindicais e confederações patronais defendem como sendo prioritários para a discussão.

Questionada sobre qual a proposta relativa à política de rendimentos, nomeadamente sobre uma eventual definição de um referencial de aumentos salariais para os próximos anos, como existiu em acordos mais antigos, a ministra adiantou que a meta do Governo é a convergência com a média da União Europeia.

“No aumento dos rendimentos, o objetivo que colocaremos em cima da mesa é convergir com a União Europeia em massa salarial em percentagem do PIB [Produto Interno Bruto]”, avançou Ana Mendes Godinho. “No fundo, é voltarmos a convergir com a União Europeia, depois de termos perdido esta convergência na crise”, reforçou a governante.

No aumento dos rendimentos, o objetivo que colocaremos em cima da mesa é convergir com a União Europeia em massa salarial em percentagem do PIB.

Ana Mendes Godinho

Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

A ministra elencou os temas que o Governo vai propor para a discussão com os parceiros sociais, realçando que o principal objetivo é, por um lado, aumentar os rendimentos e, por outro, aumentar a produtividade e a competitividade das empresas. “Com estes objetivos vamos colocar em cima da mesa várias áreas para serem debatidas em sede de acordo que vão desde a valorização global dos salários à valorização dos jovens qualificados, quer os jovens licenciados quer os jovens com qualificação profissional específica”, adiantou Ana Mendes Godinho

Em discussão, continuou a governante, vão estar também medidas de política “não salarial”, nomeadamente “instrumentos de proteção social e outros que podem contribuir para aliviar o rendimento das famílias de classe média”.

A ministra afirmou que os membros do Governo presentes na Concertação Social estarão “disponíveis para ouvir” propostas relacionadas com a formação profissional e “medidas ao nível da fiscalidade”, assim como a melhoria do financiamento das empresas, temas que têm sido colocados como prioridade por parte das confederações patronais.

Outra área que estará em cima da mesa será a conciliação entre a vida profissional e familiar, tema para o qual foi criado um grupo de trabalho em sede de Concertação Social, afirmou Ana Mendes Godinho.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer concluir acordo de rendimentos e competitividade no primeiro trimestre de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião