Alunos do ensino profissional vão poder entrar no ensino superior sem exames

  • ECO
  • 29 Novembro 2019

O Governo quer reduzir as desigualdades no acesso ao ensino superior e, a partir do próximo ano, algumas escolas do profissional vão poder enviar alunos para o superior sem exames nacionais.

Os diplomados dos cursos profissionais vão poder candidatar-se ao ensino superior sem terem de fazer exames nacionais, como acontece com os estudantes do ensino secundário. Trata-se de uma nova via de acesso, através da ponderação da nota final do curso profissional e da prova de aptidão profissional, avançou o Jornal de Notícias (acesso condicionado).

A medida faz parte do Contrato para a Legislatura até 2023, que é assinado esta sexta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelos reitores e presidentes dos politécnicos. O objetivo passa por alargar a base social do ensino superior, numa altura em que o Governo já deixou claro que ergueu a bandeira da redução das desigualdades no ensino superior.

Contudo, de acordo com o mesmo jornal, a medida é limitada e pressupõe uma adesão voluntária por parte das instituições de ensino profissional. Por isso, segundo o ministro da Ciência e Ensino Superior, Manuel Heitor, só fará “sentido ocorrer onde há mais proximidade com as escolas profissionais”.

Entre os outros assuntos do Contrato para a Legislatura está a exigência das universidades de um acesso mais facilitado a fundos comunitários. O documento reforça ainda a verba para o ensino superior em 2% em 2020, ou mais 55 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alunos do ensino profissional vão poder entrar no ensino superior sem exames

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião