Berardo vai manter condecorações

  • ECO
  • 29 Novembro 2019

O relatório final, elaborado por Mota Amaral, propõe uma repreensão para o empresário madeirense Joe Berardo, não retirando as condecorações.

O empresário madeirense Joe Berardo deverá mesmo manter as condecorações, depois de lhe ter sido aberto um processo por causa da polémica postura assumida pelo empresário português no Parlamento durante uma audição à comissão que avaliou as dívidas à Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O cenário proposto no relatório final do processo disciplinar prevê, ainda assim, uma repreensão, pessoalmente ou por escrito, adianta o Jornal Económico (acesso pago). Esta é a sanção mais leve que pode ser aplicada por este organismo. A decisão final será tomada a 20 de dezembro, na reunião do Conselho das Ordens Honoríficas.

No relatório elaborado pelo antigo presidente da Assembleia da República João Mota Amaral, que foi escolhido para instrutor do processo disciplinar, o pedido público de desculpas de Berardo e o facto de este não ter sido condenado são apresentadas como a justificação para a decisão,

O Conselho das Ordens, presidido por Manuela Ferreira Leite, irá então decidir, na semana antes do Natal, se retira as condecorações da Ordem do Infante D. Henrique e da Grã Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, que Joe Berardo recebeu das mãos de Ramalho Eanes e Jorge Sampaio, com base no relatório. Entretanto foi enviada ao ainda comendador uma nota de culpa que foi escrita por Mota Amaral.

A defesa respondeu a essa nota de culpa recusando que seja aplicada qualquer sanção ao investidor madeirense por considerar que Mota Amaral não especifica que normas ou leis foram violadas por Joe Berardo, apenas remetendo o arguido para o vídeo de cinco horas da audição feita no âmbito da II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, a 10 de maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berardo vai manter condecorações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião