CGD avalia processos contra ex-gestores que aprovaram créditos a Berardo

  • ECO
  • 31 Outubro 2019

Três sociedades de advogados estão a analisar se antigos gestores, da administração de Santos Ferreira, cumpriram os deveres de diligência na aprovação de financiamento até 400 milhões ao empresário.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a ponderar possíveis ações cíveis contra os ex-gestores que participaram na decisão de financiamento ao empresário Joe Berardo, segundo noticia esta quinta-feira o Jornal Económico (acesso pago). O financiamento de 400 milhões de euros para comprar ações do BCP, aprovado sem evidência de debate ou confronto de posições, acabou por revelar-se ruinoso para o banco público.

O Jornal Económico apurou que a CGD contratou três sociedades de advogados que estão a analisar possíveis ações cíveis contra gestores durante a administração de Carlos Santos Ferreira. Pretendem apurar responsabilidades jurídicas, no caso de darem entrada nos tribunais pedidos de indemnização, e irão avaliar se os deveres de diligência foram cumpridos.

Não foi o negócio mais ruinoso de todos para a CGD — foi o terceiro, resultando em imparidades de 124 milhões de euros –, mas foi o que “mais tinta” fez correr não só no Parlamento como em termos de impacto mediático.

O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito diz que em 2006 e 2007, foram concedidos à Metalgest e à Fundação José Berardo (FJB), financiamentos até 400 milhões de euros — 50 milhões e 350 milhões de euros, respetivamente — com a finalidade de adquirir títulos de empresas cotadas nas bolsas europeias que, “pelo que se apurou, se consubstanciou na constituição de uma participação qualificada no BCP”, diz o relatório.

Os depoimentos na CPI foram contraditórios. O empresário madeirense disse que foi a CGD a propor a operação de financiamento, enquanto o banco público afirmou ter recebido uma carta em que a Fundação José Berardo (FJB) pedia a concessão de uma linha de crédito.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD avalia processos contra ex-gestores que aprovaram créditos a Berardo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião