Bancos põem ação contra associação dona da coleção Berardo para saber quem são os donos

  • ECO
  • 8 Novembro 2019

O processo colocado pela CGD, BCP e Novo Banco, que deu entrada no Tribunal da Comarca de Lisboa esta semana, pede à associação a apresentação de documentos.

A Associação Coleção Berardo é alvo de uma ação judicial colocada pelo Banco Comercial Português (BCP), Caixa Geral de Depósitos (CGD) e Novo Banco. Os bancos voltam assim a colocar uma ação neste âmbito, sendo que desta vez diz respeito à dona das obras de arte do empresário e cujos títulos de participação estão penhorados.

Os bancos querem perceber que alterações se verificaram na associação, depois de terem sido abordadas durante a comissão de inquérito a Joe Berardo, sendo que terão diminuído o número de títulos sob penhor, adianta o Expresso (acesso condicionado). O objetivo será que a impugnação dessas mudanças.

O processo, que deu entrada no Tribunal da Comarca de Lisboa esta semana, pede à associação a apresentação de documentos, o que indicará à justiça que os bancos não os conseguiram obter. Os documentos darão informação sobre os detentores dos títulos de participação da associação, o que dirá quem são os seus donos das obras de arte. A comissão à CGD tinha já pedido dados sobre este tema, mas a associação não os quis fornecer, dizendo que o pedido se tratava de uma devassa.

A Associação Coleção Berardo fez alterações aos seus estatutos e realizou “aumentos de capital” em 2016, operações que terão blindado as obras de arte face à eventual execução por parte da CGD, BCP e Novo Banco, que ficaram com o penhor dos títulos de participação daquela associação pela dívida da Metalgest e da Fundação Berardo.

Os bancos querem, com este processo, obter provas de que o aumento de capital foi feito sem terem a oportunidade de intervir, o que poderia assim justificar uma impugnação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos põem ação contra associação dona da coleção Berardo para saber quem são os donos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião