Portugal dedica 1,52% do PIB à Defesa e ultrapassa objetivo do Governo para 2019

  • Lusa
  • 29 Novembro 2019

Até 2024, o Executivo de António Costa pretende chegar aos 1,66% do PIB nas despesas com a Defesa, meta que, ainda assim, ficará aquém do objetivo de 2% acordado entre os países membros da NATO.

Portugal dedica, atualmente, 1,52% do Produto Interno Bruto (PIB) à área da Defesa, acima da meta de 1,41% estipulada pelo Governo português para este ano, mas ainda longe do objetivo de 2% acordado entre os países-membros da NATO.

Numa conferência de imprensa a anteceder uma reunião de líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, sigla em inglês), que decorre na próxima semana em Londres, o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, divulgou dados sobre a contribuição dos países-membros para a área da Defesa, falando num aumento das verbas nos últimos anos.

No caso de Portugal, a percentagem do PIB alocada a este setor tem vindo a aumentar desde 2017, tendo passado de 1,25% nesse ano para 1,43% em 2018 e para 1,52% em 2019 (estes últimos ainda são dados provisórios).

O objetivo traçado pelo Governo português para este ano era o de chegar aos 1,41% da riqueza nacional.

Até 2024, o executivo de António Costa pretende chegar aos 1,66% do PIB nas despesas com a Defesa, meta que, ainda assim, ficará aquém do objetivo de 2% acordado entre os países membros da NATO na cimeira de Gales em 2014.

O Governo espera ainda alcançar os 1,98% do PIB se o país conseguir obter os fundos comunitários a que se irá candidatar no âmbito do próximo Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia para o período 2021-2027, nomeadamente através do Horizonte Europa e do Fundo Europeu de Defesa.

Com a percentagem já alcançada este ano, Portugal mantém-se o 16.º membro da NATO (de um total de 29) que mais investe em Defesa, imediatamente à frente da Alemanha (1,38%), e destacadamente à frente de Bélgica (0,93%), Espanha (0,92%) e Luxemburgo (0,56%), os aliados na ‘cauda’ da lista.

Entre os países-membros da NATO que mais investem na Defesa estão os Estados Unidos, que lideram a lista com uma percentagem de 3,42%, seguidos pela Bulgária (3,25%), Grécia (2,28%) e Reino Unido e Estónia (ambos 2,14%).

Os dados da organização transatlântica indicam que, em termos absolutos, Portugal deverá gastar 3.160 milhões de euros com este setor em 2019, após despesas de 2.874 milhões de euros no ano passado e de ter alocado 2.424 milhões de euros em 2017 (isto em preços correntes).

A poucos dias da reunião de líderes da NATO que assinala o 70.º aniversário da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg sublinhou que os dados divulgados esta sexta-feira mostram “um crescimento dos gastos com defesa entre os aliados europeus e o Canadá pelo quinto ano consecutivo”.

“O aumento real em 2019 é de 4,6%” em termos gerais, destacou, argumentando que “este progresso sem precedentes e está a fortalecer a NATO”.

Jens Stoltenberg defendeu que, apesar de os países-membros estarem no “caminho certo”, têm de “manter este ritmo”.

Já falando sobre a cimeira da próxima semana, o responsável adiantou que o encontro servirá para “fazer um balanço do papel da NATO na luta contra o terrorismo”, nomeadamente avaliando missões no Iraque e no Afeganistão que, para Jens Stoltenberg, “continuam a desempenhar um papel fundamental na prevenção do ressurgimento do Estado Islâmico e de outros grupos terroristas”.

Outros temas em cima da mesa serão a resposta da NATO à violação do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF) por parte da Rússia, as implicações da ascensão da China e as ameaças à cibersegurança, adiantou o secretário-geral da organização criada em 1949.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal dedica 1,52% do PIB à Defesa e ultrapassa objetivo do Governo para 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião