Próximo quadro financeiro plurianual tem “alguns escolhos” no seu caminho

  • Lusa
  • 29 Novembro 2019

O ministro do Planeamento considera que a discussão do próximo quadro financeiro regista “alguns escolhos”, mas garante que o Conselho Europeu vai tentar obter um acordo sobre esta temática.

O ministro do Planeamento afirmou esta sexta-feira, em Lisboa, que a discussão do próximo quadro financeiro regista “alguns escolhos” no seu caminho, acrescentando que este é um “período único” para a Europa discutir as suas políticas e formas de financiamento.

A discussão sobre o quadro financeiro plurianual [QFP] neste momento, infelizmente, encontra-se, diria, para ser diplomático, com alguns escolhos no seu caminho”, assegurou Nelson de Souza, na sessão de abertura de um almoço de empresários, organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola.

De acordo com o governante, o próximo conselho europeu, que se realiza entre 12 e 13 de dezembro, vai tentar obter um acordo sobre esta temática “que marcará o futuro da Europa nos próximos sete anos”.

Para Nelson de Souza, os próprios Estados-membros deveriam seguir “esta boa prática” de ter um orçamento plurianual, que “é suficientemente longo” para permitir a programação das finanças, prioridades e políticas.

No entanto, acrescentou, esta é também a altura da Europa “saber como financiar as suas políticas” e como “seguir o seu rumo”, daí a importância deste tempo de reflexão que requer “grande responsabilidade dos dirigentes políticos e de todos os Estados-membros”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Próximo quadro financeiro plurianual tem “alguns escolhos” no seu caminho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião