Jerónimo de Sousa considera que foi “um ano perdido para o investimento público”

  • Lusa
  • 30 Novembro 2019

Jerónimo de Sousa afirmou num comício na Marinha Grande, no distrito de Leiria, que 2019 foi “mais um ano perdido para o investimento público”.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou, na sexta-feira à noite, num comício na Marinha Grande, no distrito de Leiria, que 2019 foi “mais um ano perdido para o investimento público”.

“O ano de 2019 acabará, ao contrário do que foi garantido, como mais um ano perdido para o investimento público. Não cumprirá sequer com a exígua meta do que foi orçamentado, porque se quis garantir as ‘contas certas’ com a União Europeia, em detrimento da solução dos problemas do país”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP sublinhou que “o que vem acontecendo é que o PS em cada ano da sua governação, tem optado por ganhar um ano em relação às metas do défice e o país perde um ano em relação à solução dos problemas”.

O líder comunista apontou que “se arrasta a resposta às carências nas unidades de saúde, à falta de trabalhadores nas escolas” e, “se adia, por exemplo, o necessário investimento na recuperação, reflorestação e valorização da Mata Nacional de Leiria e inclusive se consome e não garante a receita de mais de 13 milhões de euros da venda da madeira ardida que devia ali ser aplicada, e a resposta a muitos outros problemas”.

Jerónimo de Sousa esclareceu ainda que o PCP “não será agora, como não foi na legislatura que findou, parte de uma alegada ‘maioria’, mas sim força de oposição a tudo o que contrarie ou faça retroceder os interesses e direitos dos trabalhadores e do povo, e força indispensável para com a sua iniciativa se avançar na conquista de novos direitos”.

“É assegurando a sua independência que o PCP decidirá e agirá, combatendo ilusões sobre a natureza das opções da atual política, bem como o conjunto de limitações e constrangimentos que limitam e impedem a resposta plena aos problemas do país”, acrescentou.

O líder comunista criticou as opções que o “governo minoritário do PS” tem demonstrado, “mantendo privilégios e condições de domínio dos grandes grupos económicos”.

Jerónimo de Sousa considerou que o programa socialista “dá prioridade ao défice e à dívida em prejuízo da capacitação da Administração Pública e dos seus serviços” e não apresenta “medidas ajustadas ao combate às desigualdades, mas sim a manutenção de um quadro degradado de direitos laborais”.

O líder do PCP afirmou ainda que o governo “insinua que é preciso fazer cortes, porque não há dinheiro para tudo”, mas “há sempre dinheiro para dar cobertura aos desmandos da banca”.

“Está aí mais uma fatura de 1.150 milhões de euros para o Novo Banco. Com este novo rombo são, agora, mais de 7.000 milhões de euros, os custos para o país com a resolução do BES e a venda do Novo Banco”, estimou.

Jerónimo de Sousa avançou ainda que o PCP “estragou a festa” ao PS: “Há quatro anos pensavam que iam ter mais quatro anos para dar cabo do resto”.

“Diziam que estávamos a morrer e que aqui d’el rei que este partido comunista estragou-nos a festa”, notou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo de Sousa considera que foi “um ano perdido para o investimento público”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião