Operação Marquês: Santos Silva diz que emprestou 510 mil euros a José Sócrates

  • Lusa
  • 30 Novembro 2019

O empresário Carlos Santos Silva explicou em tribunal que, ao longo de vários anos, emprestou 510 mil euros ao seu amigo José Sócrates e que desconhecida onde este gastava o dinheiro.

O empresário Carlos Santos Silva explicou esta sexta-feira em tribunal que, ao longo de vários anos, emprestou 510 mil euros ao seu amigo José Sócrates e que desconhecida onde este gastava dinheiro, disse fonte ligada ao processo.

Esta sexta-feira decorreu o terceiro e mais longo dia de interrogatório do arguido Carlos Santos Silva na fase de instrução da Operação Marquês.

Segundo a mesma fonte, quando questionado pelo juiz Ivo Rosa sobre o dinheiro que foi transferido das contas do empresário para o antigo primeiro-ministro, Carlos Santos Silva reiterou que eram amigos e que lhe emprestou 510 mil euros e que Sócrates já lhe devolveu 250 mil.

Disse também que desconhecia o que Sócrates fazia com o dinheiro e em que é que o gastava.

A mesma explicação foi dada para os mais de 400 mil euros pagos pelo empresário para gozo de férias em conjunto, tanto em Portugal e no estrangeiro, adiantou a fonte.

O arguido diz que ofereceu as férias ao amigo de longa data.

Outro dos assuntos abordados na sessão desta sexta-feira, adiantou a fonte, foi a compra pelo empresário de mais de 6.500 exemplares do livro ‘A Confiança no Mundo’, de José Sócrates [segundo o ministério Público gastou 170 mil euros], tendo Santos Silva referido que comprou para oferecer a amigos e porque gostava de ver o livro nos primeiros lugares dos tops de venda.

Sobre a sua casa de Paris, habitada por Sócrates enquanto esteve a estudar, o empresário explicou que foi o responsável pela remodelação, mas que tinha pedido conselhos ao amigo e a um arquiteto, justificando assim o conteúdo das escutas telefónicas nas quais o antigo governante falava dos materiais e das cores a utilizar nas melhorias.

No final de quase sete horas de interrogatório, o advogado de José Sócrates estava satisfeito com o depoimento de Carlos Santos Silva, que disse ter sido muito esclarecedor.

“Fazemos uma avaliação muito positiva destes dias de depoimento, foi muito esclarecedor”, afirmou Pedro Delille aos jornalistas.

Carlos Santos Silva é, segundo a acusação, o “testa-de-ferro” de Sócrates tendo colocado nas suas contas bancárias, nomeadamente na Suíça, dinheiro do antigo primeiro-ministro, entregando-o depois em parcelas e em numerário.

Para o Ministério Público, o Grupo Lena obteve benefícios comerciais graças à atuação de José Sócrates enquanto primeiro-ministro e Carlos Santos Silva “interveio como intermediário de José Sócrates em todos os contactos com o referido grupo”.

O empresário da Covilhã disponibilizou “sociedades por si detidas” para receber quantias destinadas a Sócrates. A justificação pela mudança de mãos do dinheiro passava pela “prestação de serviços”.

Carlos Santos Silva, de 58 anos é acusado de corrupção passiva e ativa, branqueamento de capitais (17 crimes), falsificação de documentos (10), fraude fiscal e fraude fiscal qualificada (3).

Em outubro, no seu interrogatório, o antigo primeiro-ministro defendeu o amigo e disse ao juiz que ele era “honestíssimo”.

A Operação Marquês teve início em 19 de julho de 2013 e culminou na acusação a 28 arguidos – 19 pessoas e nove empresas – pela prática de quase duas centenas de ilícitos económico-financeiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operação Marquês: Santos Silva diz que emprestou 510 mil euros a José Sócrates

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião