Dividas de Angola às empresas de construção agravam-se

  • ECO
  • 1 Dezembro 2019

A dívida chega aos 500 milhões de euros e alguma da que foi paga foi convertida em obrigações do Tesouro de um Estado que enfrenta uma grave crise cambial.

As dívidas de Angola às empresas de construção nacionais agravaram-se, apesar dos compromissos estabelecidos com vista à sua redução. São já cerca de 500 milhões de euros que são devidos às empresas nacionais, avança o Público (acesso condicionado) neste domingo.

Os 500 milhões de créditos das empresas portuguesas resultam de dívidas tanto do governo de Luanda como dos governos provinciais, sendo que nem toda esta dívida está certificada.

Segundo o Público, cerca de 10% desse montante tem sido objeto de discussão entre autoridades angolanas e portuguesas que, há uma semana, se sentaram à mesma mesa para debater estes e outros problemas relacionados com a exposição das empresas portuguesas à grave crise que afeta a economia angolana. Só nos últimos três anos, a moeda angolana desvalorizou 90% face ao dólar, a divisa em que são celebrados muitos dos contratos.

O rol de dívidas é muito diverso, indo desde gráficas a empresas de consultoria em engenharia, mas mais de 90% da exposição portuguesa será relativa a construtoras.

Questionado pelo jornal diário acerca do andamento deste plano de pagamento de dívidas, e acerca dos montantes que ainda falta liquidar, o presidente da Confederação da Construção explicou que essa dívida está a ser resolvida individualmente por cada uma das empresas e que a confederação não consegue acompanhar essa situação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dividas de Angola às empresas de construção agravam-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião