Mais de mil empresas pedem ao Governo solução para dívidas em atraso

  • ECO
  • 2 Dezembro 2019

Pagamentos do Estado a fornecedores com mais de 90 dias em atraso totalizavam, em outubro, 966,8 milhões de euros. Iniciativa Compromisso de Pagamento Pontual quer uma solução já no OE 2020.

Mais de mil empresas uniram-se para pedir ao Governo uma solução para as dívidas em atraso. A iniciativa Compromisso de Pagamento Pontual foi lançada esta segunda-feira e pretende exigir ao Executivo de António Costa que inscreva, na proposta de Orçamento do Estado para 2020, uma solução para as dívidas do Estado a fornecedores com mais de 90 dias, segundo o Jornal de Negócios (acesso pago).

A iniciativa é promovida pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP), pela Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) e pela Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE), sendo que aderiram cerca de 1.200 empresas.

Os pagamentos com mais de 90 dias em atraso totalizavam, em outubro, 966,8 milhões de euros, segundo dados da Direção-Geral de Orçamento citados pelo Negócios. O valor representa uma diminuição de 147 milhões de euros em relação a igual período do ano passado. Ainda assim, as empresas pedem a regularização ou um calendário para que esta seja feita.

Para que todo o processo acelere, fizeram também um diagnóstico interno e defendem que as próprias empresas devem assumir um “ato básico da sua responsabilidade social”, acrescenta o jornal. Em simultâneo, pedem ajuda às ordens dos contabilistas certificados e de revisores oficiais de contas para “promover instrumentos com o objetivo de salientar boas práticas e alertar os seus clientes para situações de pagamentos atrasados”.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Mais de mil empresas pedem ao Governo solução para dívidas em atraso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião