Juros de mora por dívidas ao Estado baixam. Taxa fixada em 4,825%

A taxa de juros de mora volta a recuar em 2019, ficando agora fixada em 4,825%. Esta taxa incide sobre as dívidas ao Estado e a outras entidades públicas.

Este ano, se se atrasar no pagamento de dívidas ao Estado contará com uma taxa juros de mora ligeiramente mais branda do que aquela de que seria alvo em 2018. De acordo com o aviso publicado, esta sexta-feira, em Diário da República, a partir deste mês, a taxa em causa passa a estar fixada em 4,825%, valor que compara com os 4,857% em vigor no último ano. Este é o sétimo ano consecutivo de descida.

“Em cumprimento do disposto no artigo 3º do Decreto-Lei nº73/99, de 16 de março, fixa-se a taxa de juros de mora aplicáveis às dívidas ao Estado e outras entidades públicas em 4,825%”, explica o documento referido.

No ano passado, a taxa de juros de mora tinha recuado para 4,857% face aos 4,966% fixados em 2017. Este é, assim, o sétimo ano consecutivo em que se regista um recuo: a última vez que os juros de mora ao Estado aumentaram foi em 2012 (subiram para os 7,007%).

Por lei, esta taxa incide sobre as dívidas provenientes de contribuições, impostos, taxas e outros rendimentos (quando pagos depois do prazo de liquidação voluntária), desvios de dinheiros, quantias autorizadas e despendidas fora das disposições legais ou custas contadas em processo de qualquer natureza.

De notar que esta taxa é fixada anualmente pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), mediante aviso publicado no Diário da República. Vigora para todo o ano, desde o dia 1 de janeiro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros de mora por dívidas ao Estado baixam. Taxa fixada em 4,825%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião