“Esta geração foi a mais afetada pela crise”, diz ministro da Educação

  • ECO
  • 3 Dezembro 2019

Tiago Brandão Rodrigues apontou que os resultados obtidos pelos alunos portugueses foram influenciados por mudanças curriculares aplicadas durante o período da crise.

O ministro da Educação justificou os maus resultados dos estudantes portugueses, nomeadamente nas ciências e na leitura, apresentados num estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), com a crise. Para Tiago Brandão Rodrigues, as mudanças curriculares aplicadas durante a governação entre 2011 e 2015 deixaram “de parte” as ciências.

Nos últimos três anos, os alunos portugueses viram o seu desempenho piorar nas Ciências, recuar na Leitura e estagnar no que diz respeito à Matemática, diz o relatório PISA. A geração que realizou esta prova em 2018 foi “a mais afetada pela crise económica”, apontou Tiago Brandão Rodrigues, citado pela Renascença (acesso livre).

A OCDE também salientou que o estatuto socioeconómico foi um fator forte no desempenho tanto na Leitura, como na Matemática e nas Ciências, em Portugal. Para além disso, o ministro destacou que o desempenho dos alunos foi também afetado “por algumas mudanças bruscas no campo educativo”, durante 2011 e 2015.

Entre estas alterações inclui-se “a revogação do currículo do ensino básico e de vários programas de desenvolvimento educativo, como foi exemplo a suspensão do plano de ação para a Matemática, e os cortes então executados no Ciência Viva e no Plano Nacional de Leitura”, disse o ministro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Esta geração foi a mais afetada pela crise”, diz ministro da Educação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião