PISA. Alunos portugueses estão piores do que em 2015 nas ciências e na leitura

O desempenho dos alunos portugueses nas Ciências entrou em declínio, entre 2015 e 2018, diz a OCDE. Na Leitura, resultados também caíram e estagnaram na Matemática.

Nos últimos três anos, os alunos portugueses viram o seu desempenho piorar “significativamente” no domínio das Ciências, recuar (ainda que de forma menos expressiva) na Leitura e estagnar no que diz respeito à Matemática. Ainda assim, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (PISA) nota que os alunos portugueses conseguiram manter um desempenho melhor que a média nessas três matérias.

Segundo o “Programme For International Student Assessment” — o megaestudo internacional que avalia a literacia dos alunos com 15 anos de idade –, em 2018, Portugal conseguiu pontuações não muito distantes das fixadas como média da OCDE, tanto na Leitura, como na Matemática e nas Ciências.

Em todos esses domínios, a nota dos alunos portugueses foi a mesma: 492 pontos. Esse valor compara com os 487 pontos fixados como média da OCDE para a Leitura e com os 489 pontos fixados como média no que diz respeito à Matemática e às Ciências. Em comparação, em 2015, Portugal tinha conseguido as seguintes pontuações: 498 pontos na Leitura, 492 pontos na Matemática e 501 pontos nas Ciências.

Pontuação de Ciências foi a que mais caiu entre 2015 e 2018

Fonte: OCDE

Na Leitura e na Matemática, a OCDE frisa que não se registou uma mudança significativa de desempenho entre 2015 e 2018, enquanto nas Ciências foi verificado um “declínio”. Nessa disciplina, mesmo os melhores alunos conseguiram pontuações inferiores.

Apesar dos resultados conseguidos pelos alunos portugueses em 2018 serem inferiores na generalidade aos verificados em 2015, a OCDE sublinha que Portugal é “um dos poucos países com uma trajetória de melhorias nas três disciplinas”, se assumirmos uma visão de mais longo prazo.

Na Leitura, a OCDE considera que Portugal e Estónia registaram uma evolução “estavelmente positiva” entre 2000 e 2018. Já na Matemática, Portugal aparece ao lado do Brasil, da Bulgária, de Israel, de Itália, do México, do Catar e da Roménia com um desempenho “positivo, mas a abrandar”, isto é, menos positivo nos anos mais recentes. O mesmo comentário aparece relativamente às Ciências.

Alunos de famílias carenciadas são piores na Leitura

De acordo com os dados divulgados, esta sexta-feira, pela OCDE, o fosso do desempenho na Leitura entre os alunos portugueses de famílias carenciadas e os alunos com condições socioeconómicas mais vantajosas agravou-se nos últimos três anos. Esses segundos conseguiram mesmo mais 95 pontos do que os primeiros, quando a média está nos 89 pontos.

Em geral, a OCDE salienta que o estatuto socioeconómico foi um fator forte no desempenho tanto na Leitura, como na Matemática e nas Ciências, em Portugal.

Exemplo disso é ainda o facto de que, enquanto todos os bons alunos com condições socioeconómicas vantajosas esperam terminar o ensino superior, apenas três em cada quatro dos melhores alunos de famílias carenciada têm tal expectativa.

No que diz respeito a perspetivas profissionais, entre os melhores alunos em Matemática e nas Ciências, um em cada dois rapazes em Portugal espera vir a ser engenheiro ou cientista, enquanto apenas uma em cada sete raparigas tem tal expectativa. Em sentido inverso, quase uma em cada duas raparigas espera trabalhar no setor da Saúde, enquanto um em cada sete rapazes espera esse futuro.

A OCDE nota ainda que, em Portugal, os diretores das escolas reportaram maiores faltas de pessoal e de bens materiais do que a média da OCDE. E esse cenário foi registado tanto em escolas com alunos com condições socioeconómicas mais favorecidas como em escolas com alunos de famílias carenciadas.

Quase seis mil estudantes portugueses participaram neste estudo, correspondendo a 280 escolas. No total, o PISA teve em conta as respostas e pontuações de 600 mil alunos de 79 países.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PISA. Alunos portugueses estão piores do que em 2015 nas ciências e na leitura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião