“Próximo ministro das Finanças não pode ser da Saúde, Educação e Justiça”

Em entrevista ao ECO, a líder do BE deixa pistas sobre o próximo ministro das Finanças e adianta que o substituto de Carlos Costa deve ter "claro perfil de defesa de interesse público".

O Bloco tem sido crítico de Mário Centeno e de Carlos Costa. O mandato do segundo termina poucos meses depois de arrancar a próxima legislatura. O ministro das Finanças está nas listas a deputado à Assembleia da República e não é certo que fique à frente do Terreiro do Paço no próximo Governo, mesmo que se confirmem os dados das sondagens que dão vitória ao PS. O ECO quis saber o que pensa Catarina Martins sobre o perfil destes dois importantes cargos.

Como deve ser o perfil do ministro das Finanças na próxima legislatura?

Que seja ministro das Finanças. E não seja ministro da da Saúde, ministro da Educação, ministro da Justiça.

Não pode ter super poderes?

Uma coisa é perceber que as contas certas são importantes e uma estratégia financeira deve ser levada a sério. Outra coisa é paralisar o país porque há um ministro que define todas as áreas. Andamos a perder dinheiro por causa disto.

Alguém acha que o ministro Mário Centeno tinha tido este papel se não fosse uma decisão do Governo que ele o tivesse?

Catarina Martins

Então Mário Centeno não é a pessoa certa?

O problema não são as pessoas. São as estratégias.

Mas já lidou com Mário Centeno..

Alguém acha que o ministro Mário Centeno tinha tido este papel se não fosse uma decisão do Governo que ele o tivesse?

O Bloco é muito crítico do atual governador do Banco de Portugal que termina o mandato em julho de 2020. Qual deve ser o perfil do próximo governador?

O atual governador tem sido um banqueiro entre banqueiros. Temos de alterar a regulação. Claro que quem ocupa os cargos tem a responsabilidade pelo que faz deles, mas também é preciso compreender quando há problemas sistémicos. Precisamos de um claro perfil de defesa de interesse público.

Francisco Louçã dava um bom governador?

Não sei se estaria disponível sequer (risos). Estou muito mais interessada em discutir a regulação do que os nomes do próximo governador.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Próximo ministro das Finanças não pode ser da Saúde, Educação e Justiça”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião