Margem Sul do Tejo pode ser opção para comprar ou arrendar casa, defendem imobiliárias

  • Lusa
  • 4 Dezembro 2019

O CEO da Century21 e o diretor de marketing da Confidencial Imobiliário defendem que a zona de Setúbal é uma opção para comprar ou arrendar casa, devido às baixas taxas de esforço.

Dois responsáveis do setor imobiliário defenderam esta quarta-feira que a margem Sul do Tejo deve ser vista “como um investimento”, devido às taxas de esforço para arrendamento e compra, mais acessíveis na Península de Setúbal do que em Lisboa.

“Hoje a realidade é esta: temos claramente um problema em Lisboa, que são as taxas de esforço de 68% para arrendar uma casa. É muito mais caro para uma família de Lisboa comprar ou arrendar casa, mesmo ganhando mais do que uma família no Seixal“, apontou o CEO da Century 21, Ricardo Sousa, durante a apresentação do estudo “Mudar de casa é mudar de vida”.

Esta mudança, na visão do especialista, passa por considerar os municípios da Península de Setúbal, onde os preços das habitações são mais acessíveis e se adequam melhor ao rendimento mensal das famílias portuguesas. “No Seixal existe 22% de taxa de esforço para comprar e 43% para arrendar, ou seja, é um exemplo claro de onde a taxa de esforço ainda está em linha com aquilo que é o rendimento disponível das famílias do município”.

Segundo o responsável, em Lisboa a população tem um rendimento familiar bruto de 1.733 euros, com taxas de esforço de 58% na compra e 68% no arrendamento, enquanto no Seixal os rendimentos são em média de 1.450 euros, mas com um esforço menor. Por este motivo, o rendimento dos habitantes é o “grande desafio” em Portugal no setor imobiliário, principalmente na Área Metropolitana de Lisboa (AML), onde Loures apresenta o valor mais baixo (1.352 euros por mês/família) e Oeiras o mais alto (1.919 euros por mês/família).

Outro exemplo no distrito de Setúbal é o concelho do Barreiro, onde a população tem receitas na ordem dos 1.400 euros por mês, com taxa de esforço de 18% na compra e de 43% no arrendamento.

Além da maior oferta e preços mais acessíveis, o responsável lembrou que a Península de Setúbal e, sobretudo, o Seixal, também se têm potenciado ao nível da criação de emprego, eventos culturais ou restauração, o que faz com que os concelhos “já não sejam um refúgio ou a solução pelo que se pode comprar, mas começam a ser destinos de moda onde se escolhe viver”.

Já o diretor de marketing da Confidencial Imobiliário, José Almeida, indicou que o valor das habitações tem vindo a subir em todo o país, desde 2014, sendo atualmente o preço médio por venda mais elevado na margem Norte da AML, principalmente em Lisboa e Cascais (entre 1.551 a 3.677 euros). Os concelhos de Almada, Alcochete e Sesimbra rondam os 1.189 a 1.851 euros, enquanto o Seixal, Barreiro e Moita andam entre 726 e 1.189 euros.

Temos aqui uma faixa de concelhos às portas de Lisboa com uma oferta que é, em termos médios, menos que um terço de Lisboa. Estão a 20 minutos de barco da capital e todos, em particular o Seixal, posicionam-se como alternativas imediatas a uma carência de habitação para uma classe média em Lisboa”, defendeu.

De acordo com o estudo, em Portugal os clientes que compram e arrendam casa são, na maioria, mulheres com menos de 40 anos, com um agregado familiar de três pessoas, licenciados, empregados em instituições privadas e com um rendimento mensal de 1.000 a 2.000 euros. A principal motivação para a procura de uma nova casa deve-se a alterações na estrutura familiar, como casamento ou divórcio, e cerca de 90% da população do país tem a ambição de “ser proprietário”.

No entanto, como concluiu Ricardo Sousa, “mais de 30% da procura e das pessoas que estão efetivamente a tentar comprar estão, neste momento, no mercado do arrendamento”, ou seja, os portugueses têm-se ajustado “ao seu orçamento e ao que podem comprar”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Margem Sul do Tejo pode ser opção para comprar ou arrendar casa, defendem imobiliárias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião