Medina vê “mais vida” para a regionalização depois das presidenciais

  • Lusa
  • 4 Dezembro 2019

Presidente da Câmara Municipal de Lisboa diz que se deve aproveitar os próximos dois anos para "tornar mais claras" as vantagens da regionalização.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, defendeu, na terça-feira, que se deve aproveitar os próximos dois anos para “tornar mais claras” as vantagens da regionalização, lembrando que “há mais vida depois” das presidenciais de 2021.

Para Medina, até lá, “há três soluções possíveis”: “Mete-se a ideia na gaveta e deixamos de falar do assunto. Eu acho que isso não é possível, porque a necessidade está lá e realidade impõem-se. [Ou] Continua-se a trabalhar, densificando o que são as competências das regiões administrativas, para tornar muito mais claro às pessoas quais as vantagens deste processo. E, terceiro trabalho, talvez ir-se conversando mais com o Presidente da República sobre o assunto”, afirmou.

O autarca falava numa conversa com o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, sobre “Descentralização/Regionalização”, que ocorreu na noite de terça-feira, no Teatro Municipal do Porto – Rivoli.

Moreira por seu lado defendeu que os partidos políticos não se podem refugiar na “legítima e conhecida oposição” do Presidente da República para não avançar com a regionalização.

"Se investirmos nos próximos dois anos numa explicação muito cabal e muito exaustiva de porque é necessária que haja uma desconcentração de poderes para este nível subnacional e qual é a vantagem dessa legitimação democrática, serão dois anos bem empregues.”

Fernando Medina

Presidente da CML

“Há 20 anos o mapa era péssimo, as dinâmicas estavam mal explicadas e o presidente do PSD à época [Marcelo Rebelo de Sousa] não concordava com a regionalização. 20 anos depois, o mapa já esta melhorzinho, no caso de Lisboa pode ser um pouco aperfeiçoado, e o presidente do PSD da altura é hoje Presidente da República e não creio que tenha mudado de ideias o suficiente. Não vamos ter avanços até às presidenciais, mas há vida depois de janeiro de 2021. Até lá já não falta assim tanto tempo”, acrescentou.

Para o presidente da Câmara de Lisboa, há um debate que é preciso fazer para tornar claras as vantagens da regionalização.

“Se investirmos nos próximos dois anos numa explicação muito cabal e muito exaustiva de porque é necessária que haja uma desconcentração de poderes para este nível subnacional e qual é a vantagem dessa legitimação democrática, serão dois anos bem empregues”, defendeu.

Para o autarca não vale a pena “voltar para nem para [confrontos políticos] inúteis nem para debates que estão condenados à partida pela vitória da demagogia”, o importante, reafirmou, “é explicar, por exemplo, porque é que na região de Lisboa é importante ter capacidade para pensar, agir, e decidir a um nível regional”.

Medina considera que é necessário “voltar ao básico” e perceber o que o país “ganha ou perde com a situação atual”, deixando para trás a demagogia que o tema está envolto.

“É um debate com o país, com as várias forças políticas, a maioria das forças políticas pronunciam-se a favor do processo avançar. É um défice de perceção da opinião pública, das vantagens e benefícios do processo. (…) Naturalmente que se conseguirá envolver todos os portugueses, incluindo também naturalmente, o Presidente da República — creio que é uma pessoa sensível a bons argumentos”, afirmou em declarações aos jornalistas.

Questionado sobre a eleição indireta das presidências das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regionais (CCDR) em 2020, anunciada pelo primeiro-ministro, António Costa, o presidente da Câmara de Lisboa disse considerar esta decisão um passo na direção certa.

“Acho que é um bom passo, porque qualquer passo da evolução atual é bom. Não avançando um processo de natureza de regionalização. Este passo que foi anunciado pelo primeiro-ministro (…) é um elemento que visa provocar uma grande mudança, uma mudança de fundo. As comissões de coordenação deixam de ser órgãos da administração desconcentrada do Estado e vão passar a ser órgãos que têm uma legitimidade de base regional, embora ainda de forma mitigada através de uma eleição indireta através de câmaras, assembleias”, afirmou.

Na iniciativa promovida pela Associação Cívica Porto, o Nosso Movimento, foi ainda apresentado um estudo encomendado pela organização à Faculdade de Economia da Universidade do Porto, sobre o processo de descentralização.

O estudo que pretendeu fazer uma reflexão sobre o processo em curso concluiu que “a solução adotada não atende suficientemente à diferente dimensão dos municípios portugueses que a amplitude de competências transferidas é, por ventura, excessiva, que o calendário definido é demasiado apertado e que o modelo de financiamento que deve acompanhar o processo não é suficientemente robusto”.

No documento, apresentado por Isabel Mota, coordenadora do Estudo “Descentralização Administrativa: O caso do Município do Porto e das competências nas áreas da Educação e da Mobilidade dos Transportes”, alerta-se ainda para a necessidade de assegurar níveis mínimos de equidade pessoal e territorial e de clarificar o modelo de coordenação entre os diferentes intervenientes no processo, bem como de manter em discussão o modelo alternativo de regionalização administrativa.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Medina vê “mais vida” para a regionalização depois das presidenciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião