Multinacional Ricoh quer duplicar “a curto prazo” faturação de 26 milhões em Portugal

  • Lusa
  • 4 Dezembro 2019

Multinacional japonesa Ricoh pretende duplicar “a curto prazo” a faturação de 26 milhões de euros prevista para 2019 em Portugal, com a recente aposta no segmento dos serviços e soluções informáticas.

A multinacional japonesa Ricoh pretende duplicar “a curto prazo” a faturação de 26 milhões de euros prevista para 2019 em Portugal, com a recente aposta no segmento dos serviços e soluções informáticas, anunciou esta quarta-feira o diretor comercial.

“O objetivo é duplicar o negócio em Portugal a curto prazo”, afirmou Jesús Centeno Moyer num encontro com jornalistas no Porto, a propósito dos 25 anos da entrada em Portugal da multinacional de equipamentos eletrónicos.

Conforme explicou, a evolução prevista em Portugal será sobretudo impulsionada pelo segmento dos serviços e soluções de IT e, no âmbito dos quais a Ricoh oferece soluções integradas de transformação digital dos locais de trabalho e de segurança de dados, e que onde já tem vindo a apostar nos últimos anos em Espanha.

Em 2017, disse Jesús Centeno, a Ricoh Portugal e Espanha passaram a ter uma gestão partilhada, o que marcou uma viragem da estratégia no mercado português: Se o foco estava até então direcionado para o segmento de serviços de impressão para escritório (office printing, nomeadamente impressoras e fotocopiadoras), passou a orientar-se para a oferta de serviços e soluções informáticas integradas para empresas e escritórios.

“Em Portugal estamos a expandir o plano de transformação empresarial da Ricoh, através do lançamento de soluções e serviços IT fundamentais para sermos um player de referência na transformação digital dos nossos parceiros de negócio e para assegurar o futuro dos nossos colaboradores e acionistas. O nosso objetivo em Portugal e Espanha é que as soluções e serviços IT representem 40% da atividade da Ricoh no fecho do ano fiscal de 2020”, refere a empresa.

No âmbito desta estratégia, a Ricoh adquiriu este ano duas empresas de prestação de serviços críticos de infraestrutura IT – a IPM em Espanha e a TotalStor em Portugal, por um valor não divulgado – e diz manter-se atenta a novas oportunidades de aquisição nesta área.

“A Ricoh está a investir estrategicamente em aquisições em todo o mundo, com o objetivo de chegar a uma faturação de 5.600 milhões de dólares (cerca de 5.052 milhões de euros) em serviços de IT no final de 2022”, adianta a empresa.

Segundo Jesús Centeno, excluindo a TotalStor, a faturação da Ricoh Portugal teria rondado os 17 milhões de euros este ano, em linha com 2018, mas a integração desta empresa permitiu elevar a faturação até aos 26 milhões de euros e o total de trabalhadores no país para mais de uma centena.

Na Península Ibérica, a faturação da Ricoh atingiu os 273 milhões de euros em 2018, com um peso de 65% da área de office printing, de 25% do segmento de office services (soluções de IT e de colaboração) e 10% do negócio de impressão comercial e industrial.

De acordo com Jesús Centeno, em 2019 o peso do segmento de office services já aumentou para 36,8%, aproximando-se do objetivo dos 40% para 2020.

No total, a Ricoh Portugal e Espanha emprega 2.000 profissionais, 100 distribuidores e mais de 50 mil clientes.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Multinacional Ricoh quer duplicar “a curto prazo” faturação de 26 milhões em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião