Mais de 250 mil nas ruas em Paris e sindicatos prometem mais protestos

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2019

A coesão entre profissões e sindicados foi conseguida na greve geral e nas manifestações relacionadas, que, em Paris, segundo os sindicatos, contaram com mais de 250 mil pessoas.

A coesão entre profissões e sindicados, dificilmente encontrada em França nos últimos anos, foi conseguida esta quinta-feira na greve geral e nas manifestações com ela relacionadas que em Paris, segundo os sindicatos, contaram com mais de 250 mil pessoas.

A convicção de sindicalistas ouvidos pela agência Lusa é que o protesto só acaba quando o Governo recuar no projeto de reforma do sistema de pensões, ideia reforçada pelo facto de a greve se ter generalizado a todos os setores da sociedade francesa, com cortejos nalguns pontos perturbados por ‘black blocs’ [grupos que se reúnem, mascarados e vestidos de preto, para protestar em manifestações de rua].

“Em 1995 partimos dos mesmos princípios, mas não tivemos o tempo de preparação que tivemos agora. Nessa altura era muito mais os regimes especiais e hoje está toda a gente na rua. Estamos muito mais num modelo 1968 do que em 1995”, afirmou Bertrand Hammache, secretário-geral da CGT-RATP em declarações à Agência Lusa, que já trabalhava na empresa de transportes de Paris em 1995 quando houve uma greve que durou três semanas também devido a uma proposta do Governo para mudar o sistema de pensões.

O Governo não recuou na sua proposta apresentada em julho, portanto o que aconteceu foi que fomos angariando mais apoio para a nossa causa em todo o país. A reforma não é só dos regimes especiais, é de todos como se pode ver”, indicou o secretário-geral da empresa que gere os transportes de Paris e que esteve na vanguarda desta greve.

Para informar os utentes sobre a iniciativa e lutar contra a reforma do sistema de pensões, o sindicato da RATP distribuiu milhões de panfletos nos últimos meses numa ação sem precedentes.

“Fizemos muita pedagogia, distribuímos muito material. Tivemos panfletos com tiragens de dois milhões de exemplares, algo que nunca tínhamos feito antes. Assim, toda a gente que precisava saber o que é a reforma por pontos e a posição da CGT, já sabe. Esta reforma não é credível”, disse Hammache.

Mas não foram só sindicatos e pessoas preocupadas com as pensões que responderam à chamada. O cortejo em Paris viu o trajeto cortado devido a incidentes entre a polícia e ‘black blocs’ que não permitiram o avanço dos tradicionais carros com os símbolos dos sindicatos que assinalam a presença das diferentes classes profissionais.

Prevendo já a degeneração dos protestos, a prefeitura de Paris reforçou a segurança da capital com seis mil polícias, mas isso não impediu desacatos, incluindo alguns pequenos incêndios na Praça Republique.

Para quem veio protestar pelas suas condições de trabalho e o possível novo sistema de pensões, as respostas do Governo não são suficientes.

“Os professores arriscam-se a perder entre 300 a 800 euros, quer sejam do setor público ou do setor privado. Isto acumula-se com o descontentamento geral da profissão e as respostas dadas até agora não nos satisfazem. Vamos mobilizar-nos até este projeto ser retirado”, disse Maud Ruelle-Personnaz, co-secretária-geral da FSU Versalhes, o maior sindicato do setor da educação.

Do outro lado, os estudantes também não estão satisfeitos.

“Este sistema de pontos que o Governo quer introduzir diz-nos respeito diretamente porque com o novo sistema, todo o tipo de trabalhos que temos enquanto jovens e estudantes, vão contar para a nossa carreira contributiva, enquanto que agora contam os melhores 25 anos”, indicou Helno Eyriey, vice-presidente da União Nacional de Estudantes de França (UNEF) lembrando uma exigência antiga desta associação para que os anos de universidade ou formação contem para a idade da reforma já que atualmente a idade média de entrada no mercado de trabalho em França se situa nos 28 anos.

Mas as desigualdades deste novo sistema universal que quer unir os 42 sub-sistemas de pensões através da atribuição de pontos não se fica por aqui.

“As pensões das mulheres vão diminuir porque com o novo projeto vai ser considerada toda a carreira e até agora tinha-se em conta os melhores 25 anos. Assim, como são as mulheres que trabalham mais a meio tempo e têm contratos mais precários, são as que mais vão perder neste sistema de pontos”, afirmou Ana Azaria, presidente da Organização de Mulheres Igualdade.

Segundo relata esta dirigente associativa, as mulheres reformadas estão entre as classes mais afetadas pela pobreza em França, com uma disparidade média face aos homens na pensão mensal de quase 700 euros.

Com estes dados e sem recuos por parte do Governo, a greve vai continuar. A RATP já anunciou que os transportes na região parisiense vão estar parados até segunda-feira, assim como é também para continuar a paralisação no setor ferroviário.

Segundo dados recolhidos pela agencia de noticias francesa, AFP, mais de 510.000 pessoas participaram nas manifestações desta quinta-feira, associadas à greve geral, em 70 cidades francesas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Mais de 250 mil nas ruas em Paris e sindicatos prometem mais protestos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião