Alojamento local no Algarve gera negócios de 980 milhões e 20 mil empregos

  • Lusa
  • 6 Dezembro 2019

De acordo com um estudo, os proprietários de alojamento local no Algarve destacam como ameaças ao negócio a carga fiscal, a sazonalidade e a regulamentação.

No último ano abriram no Algarve 5.752 unidades de Alojamento Local (AL), setor que é responsável por cerca de 20 mil postos de trabalho, com um volume de negócios anual de 980 milhões de euros, revelou um estudo divulgado esta quinta-feira.

O estudo realizado pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), em parceria com o Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), faz a caracterização dos 32.405 alojamentos existentes no distrito de Faro, entre julho de 2018 e junho de 2019. A amostra tem como base as respostas de 233 empresários, abrangendo 2.947 unidades de AL, entre apartamentos (77%), moradias (21,3%), estabelecimentos de hospedagem (1,3%), hostels (0,3%) e quartos (0,1%).

De acordo com os dados, o mercado do AL gerou um volume de negócios de 981,5 milhões de euros, o que equivale a 19% do Produto Interno Bruto da região, tendo o Estado arrecado em impostos cerca de 160 milhões de euros. A maioria dos alojamentos encontravam-se anteriormente desocupados ou eram utilizados como casa de férias e 24,3% eram utilizados como habitação própria permanente.

A maioria dos proprietários das unidades (66,1%) exercem a sua atividade como pessoa coletiva e gerem 88,1% dos alojamentos, apresentando um grau de habilitações elevado, indica. A taxa média de ocupação verificada no último ano situou-se em 65%, sendo os mercados britânico, francês e português os mais relevantes como destinos emissores, sendo os hóspedes, maioritariamente, casais com filhos.

Em declarações à Lusa, Ana Jacinto, secretária-geral da AHRESP, considerou que o estudo “é muito relevante, porque se pode constatar que mais de 40% das casas que estão em AL estavam desocupadas, foram adaptadas e melhoradas”. Por outro lado, o número de pessoas que o setor emprega até à AHRESP “surpreendeu”, uma vez que “gera cerca de 20 mil empregos diretos e mais de 66 mil indiretos”.

Ana Jacinto acrescentou que o estudo no Algarve “revela dados muito similares ao do resto do país”, permitindo “ter uma informação hoje muito perto da realidade”. O turismo e, em particular, a gestão do AL é a principal atividade e foco dos proprietários, tendo a maioria (72,9%) efetuado um investimento até dez mil euros.

Os empresários vêm como ameaças ao negócio a carga fiscal, a sazonalidade e a regulamentação, embora se mostrem otimistas face ao crescimento da procura turística no setor. Apontam, no entanto, a necessidade de serviços de apoio especializado no domínio fiscal e jurídico, formação e preparação comercial para conduzir o negócio.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento local no Algarve gera negócios de 980 milhões e 20 mil empregos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião