Novos registos no alojamento local atingem mínimos de quase três anos

A regulação mais apertada, o preço crescente dos imóveis e o facto de a procura não acompanhar o aumento da oferta estão a levar a um arrefecimento no mercado do alojamento local em Portugal.

O negócio do alojamento local está a arrefecer, depois do pico atingido há um ano. Foram registados 781 novas unidades em outubro, um mínimo de quase três anos. O número compara com os 705 novos registos em janeiro de 2017 e com o máximo histórico de 3.842 registos em outubro de 2018.

Estes dados fazem parte de um estudo da mediadora Imovendo, que aponta mesmo para um aumento da oferta que não tem sido acompanhado pela procura. “O arrefecimento é transversal a todo o país, com exceções pontuais relacionadas com a dimensão distrital dos mercados”, aponta o trabalho, que agrega informação do Turismo de Portugal, INE, Banco de Portugal, entre outras instituições.

“Após dois anos em que o alojamento local absorveu parte significativa do stock imobiliário disponível no mercado — uma média de 2.000 novos imóveis por mês — o ano de 2019 tem sido sinónimo de uma certa descompressão em termos de investimento”, sublinha a empresa imobiliária.

Este fenómeno, na ótica da Imovendo, é explicado por vários motivos. Desde logo, pelo facto de “o ritmo de crescimento de turistas e dormidas” não ter “acompanhado o aumento da oferta e de camas que se tem registado”. Depois, “o stock de apartamentos e moradias em oferta tem registado preços máximos que colocam em causa a viabilidade comercial de alguns projetos de turismo residencial”.

Além destes fatores, a Imovendo aponta que, “em alguns pontos do país”, sobretudo em Lisboa, “tem vindo a ser criada legislação autárquica de maior controlo da expansão destas unidades como forma de proteção do mercado imobiliário ‘tradicional'”.

Um destes últimos desenvolvimentos deu-se a 23 de outubro. Tal como o ECO noticiou, a Câmara Municipal de Lisboa decidiu travar o registo de novos alojamentos locais na Baixa, Avenida da Liberdade, Almirante Reis e Colina de Santana. As áreas de contenção podem ser consultadas neste mapa.

Consulte aqui o estudo completo:

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novos registos no alojamento local atingem mínimos de quase três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião