Novos registos no alojamento local atingem mínimos de quase três anos

A regulação mais apertada, o preço crescente dos imóveis e o facto de a procura não acompanhar o aumento da oferta estão a levar a um arrefecimento no mercado do alojamento local em Portugal.

O negócio do alojamento local está a arrefecer, depois do pico atingido há um ano. Foram registados 781 novas unidades em outubro, um mínimo de quase três anos. O número compara com os 705 novos registos em janeiro de 2017 e com o máximo histórico de 3.842 registos em outubro de 2018.

Estes dados fazem parte de um estudo da mediadora Imovendo, que aponta mesmo para um aumento da oferta que não tem sido acompanhado pela procura. “O arrefecimento é transversal a todo o país, com exceções pontuais relacionadas com a dimensão distrital dos mercados”, aponta o trabalho, que agrega informação do Turismo de Portugal, INE, Banco de Portugal, entre outras instituições.

“Após dois anos em que o alojamento local absorveu parte significativa do stock imobiliário disponível no mercado — uma média de 2.000 novos imóveis por mês — o ano de 2019 tem sido sinónimo de uma certa descompressão em termos de investimento”, sublinha a empresa imobiliária.

Este fenómeno, na ótica da Imovendo, é explicado por vários motivos. Desde logo, pelo facto de “o ritmo de crescimento de turistas e dormidas” não ter “acompanhado o aumento da oferta e de camas que se tem registado”. Depois, “o stock de apartamentos e moradias em oferta tem registado preços máximos que colocam em causa a viabilidade comercial de alguns projetos de turismo residencial”.

Além destes fatores, a Imovendo aponta que, “em alguns pontos do país”, sobretudo em Lisboa, “tem vindo a ser criada legislação autárquica de maior controlo da expansão destas unidades como forma de proteção do mercado imobiliário ‘tradicional'”.

Um destes últimos desenvolvimentos deu-se a 23 de outubro. Tal como o ECO noticiou, a Câmara Municipal de Lisboa decidiu travar o registo de novos alojamentos locais na Baixa, Avenida da Liberdade, Almirante Reis e Colina de Santana. As áreas de contenção podem ser consultadas neste mapa.

Consulte aqui o estudo completo:

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novos registos no alojamento local atingem mínimos de quase três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião