Consórcio recebe 2,3 milhões de euros para inovar setor agroalimentar na região Centro

  • Lusa
  • 25 Novembro 2019

O consórcio liderado pela Universidade de Coimbra recebeu financiamento do Programa Operacional Centro 2020. O projeto tem em vista desenvolver uma estratégia de desenvolvimento territorial.

Um consórcio para desenvolver e inovar o setor agroalimentar na região Centro, liderado pela Universidade de Coimbra (UC), recebeu 2,3 milhões de euros de fundos europeus, através do Programa Operacional Centro 2020, foi esta segunda-feira anunciado.

“Responder aos desafios que as fileiras do setor agroalimentar da região Centro enfrentam” é o objetivo da rede de competências CULTIVAR (https://icultivar.pt/)”, que acaba de receber aquele financiamento, afirma a UC, numa nota enviada esta segunda-feira à agência Lusa.

Para encontrar respostas, o projeto do consórcio, que tem como parceiros o Instituto Pedro Nunes (IPN), o Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar (CATAA) e o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), propõe-se criar “uma estratégia de desenvolvimento territorial alicerçada na caracterização, conservação e valorização dos recursos genéticos endógenos”, explica a UC.

A rede de competências CULTIVAR será apresentada na quarta-feira, pelas 15:30, no Centro de Empresas Inovadoras de Castelo Branco (CEi), no âmbito do congresso Inovaction, com a presença da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e de representantes das instituições que compõem o consórcio.

“A degradação ambiental, a pressão sobre os recursos naturais e as alterações climáticas confrontam as sociedades com inúmeros desafios, os quais requerem conhecimento, criatividade e inovação, sendo ainda necessária uma profunda mudança social”, sustenta Helena Freitas, coordenadora do Centro de Ecologia Funcional (CFE) da UC e líder do projeto.

Assim, sublinha ainda a investigadora, citada pela UC, “é fundamental adotar-se uma abordagem sistémica na investigação e na intervenção do território, promovendo o desenvolvimento de metodologias e soluções inovadoras, economicamente viáveis, focadas na segurança alimentar e numa produção ambiental e socialmente sustentável com uma base integradora do funcionamento dos agroecossistemas e que contemple todas as suas dimensões”.

A catedrática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC) reforça que, “em virtude das condições inerentes à matriz territorial da região Centro e da sua elevada vulnerabilidade face aos diversos cenários de alterações climáticas, há necessidade de abordar o território de forma disruptiva e diferenciadora”.

Em resultado de “sinergias criadas anteriormente”, foi possível “criar um consórcio regional de instituições de IC&DT [investigação científica e desenvolvimento tecnológico] relevantes no setor agroalimentar, e que possuem todas as condições físicas e competências técnicas para desenvolver projetos de investigação disruptiva e consequente transferência da inovação para o mercado”, realça Helena Freitas.

Este projeto assenta “numa visão holística que integra as dimensões ambientais, sociais e económicas com o objetivo de valorizar os recursos genéticos endógenos da região Centro e os processos que os suportam, de modo a alavancar de forma sustentável o setor agroalimentar”, salienta Joana Costa, investigadora do CFE e diretora executiva do projeto.

Pretende-se, deste modo, “valorizar e dotar os polos de competência existentes na região Centro de conhecimentos em áreas estratégicas, com consequente fixação de recursos humanos altamente especializados, ao mesmo temo que promove e consolida a colaboração entre instituições de ciência, tecnologia e ensino superior e o ‘cluster’ agroalimentar, numa perspetiva assente na inter e transdisciplinaridade do conhecimento e da inovação”, conclui Joana Costa, que é docente convidada da FCTUC.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consórcio recebe 2,3 milhões de euros para inovar setor agroalimentar na região Centro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião