Federação das Indústrias agroalimentares rejeita aumento de impostos no setor

  • Lusa
  • 19 Novembro 2019

A FIPA rejeita aumentos ou novos impostos aplicados sobre o setor. A indústria "não aceitará que a saúde pública seja usada como argumento de criação de novos impostos", diz.

A Federação Portuguesa das Indústrias Portuguesas Agroalimentares (FIPA) rejeita aumentos ou novos impostos no setor e recorda que está a fazer a reformulação nutricional nos produtos alimentares, disse esta terça-feira à agência Lusa o presidente.

“A indústria sente que está a fazer a sua parte e não aceitará que a saúde pública seja usada como argumento de criação de novos impostos”, afirmou Jorge Henriques.

A FIPA está a realizar uma série de encontros com todos os grupos com assento parlamentar, não só para fazer o ponto de situação, mas também para partilhar aquelas que são as preocupações do setor, no âmbito da preparação do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

“Não queremos aumentos de impostos, nem novos impostos ao consumo”, salientou o responsável. Jorge Henriques salientou que a indústria continua a fazer o seu processo de reformulação para se adequar aos novos hábitos alimentares e exigências do consumidor.

O presidente da FIPA defendeu que o setor tem de ter condições para ser competitivo. “O país tem de criar meios para a construção de marcas para que elas possam competir nos mercados internacionais”, defendeu. O responsável alertou ainda para a falta de recursos humanos, considerando ser necessária uma aposta na formação e capacitação.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Federação das Indústrias agroalimentares rejeita aumento de impostos no setor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião