Wall Street renova máximos históricos. Segue ganhos globais

As ações europeias estão em máximos de quatro anos, enquanto os EUA tocam recordes. Após um breve percalço, os investidores parecem confiantes num acordo comercial entre os EUA e a China.

Os mercados acionistas estão em máximos. Com os investidores focados num acordo comercial entre EUA e China, mas também menos pessimistas quanto à evolução da economia global, as ações seguem em alta. Em Wall Street, os três principais índices estão a tocar novos recordes.

As duas maiores economias do mundo estão a negociar um acordo inicial que se espera seja alcançado antes de 15 de dezembro, data da nova ronda de tarifas norte-americanas à importação de produtos chineses. Apesar de ainda não serem conhecidos detalhes e de Beijing ter sinalizado pessimismo, o prolongamento do período de tréguas de Washington em relação à Huawei animou os investidores.

Os mercados continuam convencidos que vamos ver uma primeira fase de um acordo comercial finalizado antes da data do novo grande aumento de tarifas, a 15 de dezembro“, diz Edward Moya, analista de mercado sénior da OANDA, em declarações à Reuters.

A confiança neste acordo está a dar força a Wall Street, com o Dow Jones a subir 0,13% para 28.073,56 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 avança 0,16% para 3.126,98 pontos e o tecnológico Nasdaq soma 0,32% para 8.577,01 pontos. Os três atingiram os valores mais elevados de sempre no arranque da negociação.

Os ganhos não se cingem, no entanto, aos EUA e estão a ser generalizados, com Stoxx 600, índice que agrega as maiores empresas europeias, a subir para o valor mais alto desde julho de 2015 e o MSCI World Equity Index, o índice global para as ações, a renovar máximos de janeiro de 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street renova máximos históricos. Segue ganhos globais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião