Benfica dispara 70% após OPA a 5 euros

As ações da SAD estão a disparar, reagindo com uma forte valorização à oferta pública de aquisição (OPA) parcial lançada pelo Benfica.

O Benfica brilha em bolsa. Depois de quase hora e meia sem negociar, com as ações bloqueadas pelo prémio da Oferta Pública de Aquisição (OPA), as ações da SAD dispararam 70% na bolsa nacional, aproximando-se dos 5,00 euros por ação oferecidos pelo clube na oferta parcial apresentada esta segunda-feira ao final do dia.

Os títulos da SAD ganham 70,65% para os 4,71 euros, atingindo assim o valor mais elevado de sempre em bolsa. Foram transacionados 22.081 títulos da SAD encarnada, todos eles ainda aquém do valor oferecido pelo clube liderado por Luís Filipe Vieira.

Benfica dispara em bolsa

O Benfica, que detém atualmente 66,9% da SAD, pretende adquirir mais 28,06% através de OPA parcial em que propõe aos investidores que vendam os seus títulos a 5,00 euros.

“O preço oferecido por ação visa assegurar que os acionistas que adquiriram as suas ações na sociedade visada no decurso da oferta pública de distribuição realizada em 2001 possam vender as ações de que são titulares a um preço semelhante ao preço nominal a que as mesmas foram então subscritas (1.000 escudos, ou seja, 4,99 euros)”, explica a SAD.

O prémio de mais de 80% face à última cotação das ações antes da OPA, de 2,76 euros, acabou por impedir a transação dos títulos na bolsa nacional no arranque da negociação.

Tendo em conta o elevado diferencial de preços, os títulos entraram num processo de leilão, gerando preços de referência sucessivos. Como esses preços gerados foram superando em 10% o valor de referência anterior, os títulos mantiveram-se bloqueados até ter sido, às 9h23 desta terça-feira, ter sido possível gerar um valor em que puderam ser realizadas transações em bolsa.

(Notícia atualizada às 9h36 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica dispara 70% após OPA a 5 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião