Banca de investimento europeia corta bónus a trabalhadores

  • ECO
  • 6 Dezembro 2019

Executivos e responsáveis de recursos humanos garantiram que vão cortar nos bónus entregues às equipas de trading e banca de investimento. Recompensas poderão cair mais de 10% face a 2018.

Está a chegar a altura do ano em que os banqueiros fecham contas e se preparam para receber bónus (normalmente) chorudos. A pressão sobre as receitas dos bancos de investimento deverá levar a cortes acima de 10% nas recompensas a receber pelos trabalhadores em 2019, segundo a Bloomberg (acesso pago, conteúdo em inglês).

Executivos e responsáveis de recursos humanos de bancos como o HSBC, o Deutsche Bank e o Societe Generale garantiram à Bloomberg que vão cortar nos bónus entregues às equipas de trading e banca de investimento.

Apontam para o cenário que vive a indústria financeira na Europa, onde há empresas em reestruturação e fundos a fecharem. A situação é agravada pelos custos associados tanto às taxas de juro em mínimos históricos do Banco Central Europeu e à transição digital. Apesar de as contas só fecharem no final do ano, já se antecipam reduções.

Tem sido um ano difícil para a indústria e para os nossos bónus“, diz Ross Mitchinson, co-CEO da corretora britânica Numis Corp, que anunciou esta semana uma quebra nas receitas de banca de investimento. “Suspeito que tem sido semelhante para a maior parte dos players na indústria, dado o contexto difícil no mercado e a incerteza macro-política”, acrescentou, em declarações à Bloomberg.

Há mesmos executivos que já sinalizarem essas dificuldades aos funcionários. “Não se distraiam e consigam-nos um bom quarto trimestre”, pediu Samir Assaf, um dos banqueiros de topo do HSBC, à equipa. “Precisamos de cada dólar neste quarto trimestre para conseguir bons bónus“.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca de investimento europeia corta bónus a trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião