344 mais ricos em Portugal têm fortuna superior a 1.700 milhões

  • ECO
  • 6 Dezembro 2019

Perfil traçado pelas Finanças mostra que 50% tem entre 51 e 70 anos, 82% nasceram em Portugal, mais de metade vive em Lisboa e 70% não têm dependentes.

As 344 pessoas mais ricas do país, para o Fisco — todas as que têm um património mobiliário e imobiliário avaliado em mais de cinco milhões de euros — apresentam uma fortuna total superior a 1.700 milhões de euros, segundo os dados do Fisco, a que o Correio da Manhã (acesso condicionado) teve acesso. O montante representa quase 1% do produto interno bruto (PIB) português em 2018.

Com base no perfil traçado pelas Finanças, 50% destas pessoas tem entre 51 e 70 anos, 82% tem naturalidade portuguesa, 95% é residente em Portugal, sendo que mais de metade vive em Lisboa (52%), e 70% não tem dependentes.

Entre os rendimentos declarados por estes contribuintes, 58% diz respeito a mais-valias, 47% a rendimentos prediais e 44% em rendimentos obtidos no estrangeiro. Entre estes 344, há sete com um património de valor muito significativo, sendo que, segundo a lista da Forbes, as famílias Amorim e Soares dos Santos são as mais ricas do país.

De acordo com o Correio da Manhã, além de a Autoridade Tributária ter analisado estes 344 contribuintes identificou ainda que 688 contribuintes têm rendimentos superiores a 750 mil euros por ano e 631 têm relações com empresas consideradas grandes contribuintes.

Todas estas pessoas fazem parte dos 1.679 grandes contribuintes singulares que estão no radar da Autoridade Tributária. O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, revelou esta semana no Parlamento que o Fisco mais que duplicou o número de contribuintes individuais de elevada capacidade financeira que são vigiado pela Unidade dos Grandes Contribuintes depois de ter “descoberto mais 921 contribuintes com património elevado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

344 mais ricos em Portugal têm fortuna superior a 1.700 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião