Bruxelas dá mais um passo para regular investimentos verdes. Já criou taxonomia

A Comissão Europeia definiu uma lista do que é ou não um produto financeiro verde. Negociações para regular o setor vão continuar e a expectativa é que entrem em vigor em 2021.

A Comissão Europeia deu o primeiro passo para regular o que entra ou não na categoria de produtos de investimento “verdes”. A ideia é criar uma taxonomia que defina claramente quais os produtos financeiros que são ou não sustentáveis, bem como uma linguagem uniformizada.

“Alcançámos um compromisso sobre a ‘lista verde’ — ou taxonomia — para atividades económicas verdes. Um mega sucesso antes do COP25 [Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas a decorrer em Madrid] e para a nossa estratégia de financiamento sustentável”, anunciou o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, no Twitter.

A definição clara poderá ajudar os investidores a escolherem a que tendências ambientais querem ter exposição, numa altura de forte crescimento para o setor: o dinheiro verde já atraiu 30 biliões de dólares. Por outro lado, permite fugir ao greenwashing, ou seja, o “falso verde“.

“Se os fundos de investimento querem dizer que contribuem para objetivos ambientais, terão de explicar como o fazem. Este dever de divulgação será aplicado a qualquer produto de investimento emitido na Europa, incluindo por empresas financeiras domiciliadas fora da Europa“, explicou Nathan Fabian, chief responsible investment officer dos Princípios de Investimento Responsável (PIR) na Comissão Europeia e membro do grupo do grupo de trabalho sobre finanças sustentáveis, em declarações à Bloomberg.

As negociações para fechar a regulação estão agora a decorrer, sendo esperado um resultado no início de 2020. Depois disso, deverá entrar em vigor em 2021 ou 2022, apesar de já existirem critérios de taxonomia recomendados. A Comissão Europeia começou, no início do ano, a publicar as primeiras regras para a incorporação de critérios de investimento com preferências ambientais, sociais e de governance.

O acordo preliminar que já tinha sido alcançado pelos representantes das instituições europeias exige que os investidores institucionais divulguem os procedimentos que criaram para integrar os riscos ambientais e sociais no seu processo de investimento e de aconselhamento e a possibilidade de esses riscos terem um impacto na rentabilidade do investimento.

Mas esta regulação é, para já, ainda uma sugestão e como não há critérios uniformizados. Têm sido as gestoras a criarem os seus próprios parâmetros e a aplicá-los. Em Portugal, o regulador dos mercados também elegeu a promoção da integração de princípios de sustentabilidade no mercado de capitais português como um dos objetivos para este ano e lançou uma consulta pública sobre o tema.

“Temos tido uma excelente e detalhada resposta da indústria”, continuou Fabian sobre o interesse do mercado. “Muitos na indústria querem que a taxonomia reflita a regulação existente sobre eficiência energética e emissões. O problema é que ainda existe pouca regulação alinhada com os objetivos climáticos futuros e, é por isso, que os investidores precisam de uma taxonomia verde”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas dá mais um passo para regular investimentos verdes. Já criou taxonomia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião