Airbnb acaba com festas nas casas reservadas na plataforma

A plataforma de reserva de alojamento anunciou novidades, entre as quais a proibição de festas de "entrada aberta" em casas privadas.

O novo ano vai trazer novidades para os adeptos do Airbnb. A plataforma de reserva de alojamento anunciou três novidades, de forma a proteger hóspedes e anfitriões, dado que 0,05% das reservas deram problemas. Assim, passam a estar proibidas festas em casas privadas e familiares, haverá um maior controlo relativamente a barulhos excessivos, a hóspedes não autorizados e à limpeza dos espaços.

Entre agosto do ano passado e julho deste ano, 0,05% das viagens no Airbnb tiveram problemas relativamente à segurança, enquanto 0,03% das reservas resultaram em compensações paga pela plataforma aos anfitriões, adianta Brian Chesky, CEO do Airbnb, numa carta aberta. Embora estes casos sejam raros, o responsável diz que é importante “continuar a avaliar estes incidentes e encontrar novas maneiras” de os evitar no futuro.

Para isso, a plataforma vai avançar com alterações no campo da segurança. Para quem reserva um alojamento através do Airbnb, vai haver um controlo mais apertado nestes cinco pontos: barulho excessivo, convidados não autorizados, estacionamento não autorizado, tabagismo não autorizado e estadias que requerem uma limpeza excessiva após o check-out.

Festas “de entrada aberta” passam a estar proibidas

A primeira medida conhecida é a proibição de festas “de entrada aberta” nos alojamentos da plataforma. De acordo com a carta de Brian Chesky, a proibição abrange qualquer evento aberto a quem quiser participar, como reuniões anunciadas nas redes sociais. “Os anfitriões que tentem contornar essa proibição e permitir que os convidados promovam grandes festas estarão sujeitos a consequências”, lê-se.

Além disso, “grandes festas e eventos são agora proibidos em residências multifamiliares do Airbnb — como prédios de apartamentos e condomínios”. O objetivo, diz a empresa, é “simples”: “combater o pequeno número de hóspedes que agem de forma irresponsável e os anfitriões cujas casas se tornam incomodativas nos bairros”. Se houver incómodo para os vizinhos e foram recebidas reclamações, serão tomadas as “medidas apropriadas”.

Neste ponto, o responsável sublinha: “Queremos deixar claro que o Airbnb não está a proibir festas nem eventos autorizados. Muitos hóspedes trabalham com os anfitriões para marcarem reuniões de forma a serem respeitadas as regras da casa e a vizinhança. Esta política não afeta os eventos autorizados pelos anfitriões e convocados respeitosamente pelos hóspedes“.

Esta medida surge na sequência de uma tragédia que aconteceu durante uma festa de Halloween, no norte de Portland. A pessoa que reservou a habitação disse que iria lá acontecer uma reunião familiar, mas acabou por lá acontecer uma festa em que apareceram mais de 100 pessoas, convidadas através das redes sociais. Acabou por acontecer um tiroteio, com mais de 55 tiros disparados, deixando ferida uma mulher. Nessa altura, o Airbnb já tinha demonstrado a intenção de avançar com a proibição de festas nos seus alojamentos.

Linha de comunicação entre autarquias e Airbnb

Além disso, outra das medidas anunciadas pelo Airbnb é a criação de uma linha de comunicação destinada a presidentes de Câmara e autoridades públicas das cidades, para que possam entrar em contacto diretamente com os responsáveis do Airbnb.

“A confiança é o verdadeiro fator que permitiu ao Airbnb escalar para mais de sete milhões de propriedades e mais de meio bilião de reservas, feitas por hóspedes de 191 países”, lê-se na carta aberta. “Queremos aprofundar essa confiança, garantindo que as autoridades públicas das cidades têm uma maneira dedicada de se comunicar com o Airbnb”.

Todas estas medidas vão passar a estar implementadas já no próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb acaba com festas nas casas reservadas na plataforma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião