Airbnb trouxe para Portugal 3,4 milhões de turistas em 2018. Impacto foi superior a 2.000 milhões de euros

Portugal recebeu 3,4 milhões de turistas através da plataforma Airbnb no ano passado, o que classificou o país como o 10.º em termos de maior impacto económico.

Foram mais de três milhões os turistas que visitaram Portugal no ano passado através da plataforma de alojamentos Airbnb, o que resultou num impacto económico superior a 2.000 milhões de euros para o país, revelou a empresa. Estes números colocam Portugal à frente de vários países, nomeadamente Alemanha e China no que toca ao número de reservas.

Os vários utilizadores registados no Airbnb geraram um impacto económico de quase 86.000 milhões de euros nos 191 países onde a empresa está presente, lê-se no comunicado. Em Portugal, esse número foi de cerca de 2.000 milhões de euros, tornando o país o 10.º com o maior impacto, à frente da Alemanha e da China, numa lista liderada pelos Estados Unidos, França e Alemanha.

De acordo com os dados da empresa, recolhidos através de um inquérito a mais de 5.500 contas de anfitriões e hóspedes em território nacional, cada um dos 3,4 milhões de turistas que visitaram Portugal no ano passado gastou, em média, 115 euros por dia, sendo que 41% desse montante foi gasto nos bairros onde ficaram alojados, a maior parte aplicado em refeições.

A empresa concluiu ainda que 60% dos anfitriões portugueses na plataforma afirmam que partilhar o seu lar permitiu-lhes poder viver nas suas casas e 78% disseram que recomendam atividades culturais aos hóspedes — como a visita a museus, festivais ou locais históricos. A maior parte dos anfitriões inscritos na plataforma é proprietária dos imóveis que aluga.

Em 84% dos casos, os hóspedes afirmam que a localização mais conveniente do que a dos hotéis influenciou na escolha pelo Airbnb, enquanto 74% afirmaram que a escolha pela plataforma se deveu à vontade em explorar determinado bairro.

O impacto económico direto estimado de 2018 pela plataforma é a soma das receitas obtidas pelos anfitriões e o gasto estimado dos hóspedes. Os mesmos dados mostraram que “os anfitriões ficam com 97% do preço fixado por eles próprios ao partilhar o seu espaço e, desde que a Airbnb foi fundada, receberam mais de 57.000 milhões de euros em todo o mundo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb trouxe para Portugal 3,4 milhões de turistas em 2018. Impacto foi superior a 2.000 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião