Airbnb corta nas taxas para ganhar hotéis ao Booking

  • ECO
  • 4 Junho 2019

Sistema de comissões partilhadas entre anfitrião e cliente acaba para anfitriões profissionais (hotéis) a partir desta terça-feira. Passa a ser cobrada uma taxa única de 14% ao fornecedor do serviço.

O Airbnb deu um passo à frente na disputa de clientes com o Booking. A partir desta terça-feira a plataforma de alojamento acaba com o sistema de comissões partilhadas entre o alojamento e o hóspede, passando a cobrar uma taxa única de 14% ao fornecedor do serviços, sempre que se trate de um anfitrião profissional, avança o Dinheiro Vivo.

O objetivo da criação de uma taxa única para anfitriões profissionais será conquistar hotéis e clientes ao Booking, que detém o monopólio mundial das reservas de alojamento e um passo em frente do Airbnb no sentido de deixar de ser apenas um ponto de encontro entre turistas e proprietários que colocam as suas casas ou quartos à disposição dos turistas.

Estamos centrados em facilitar o trabalho dos anfitriões profissionais com a plataforma Airbnb, por essa razão estamos a implementar uma nova estrutura de comissões para esses anfitriões”, indicou o Airbnb ao Dinheiro Vivo. “Esta nova comissão, apenas para anfitriões profissionais (hotéis, hospitalidade tradicional – como estalagens ou outros), cria uma taxa standard para os anfitriões e elimina a taxa dos hóspedes”, acrescentou a mesma entidade.

A nova taxa entra em efeito para todos os novos registos de alojamentos a partir desta terça-feira. Não é certo que os hotéis com registos mais antigos possam migrar para o novo serviço, ainda que haja notícias a dar conta de que esteja a ser preparada uma opção de escolha do modelo para os restantes hotéis. O custo partilhado entre alojamentos e clientes vai manter-se para todos os outros tipos de alojamento anunciados tanto por gestores de propriedades como por anfitriões que partilham as suas casas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb corta nas taxas para ganhar hotéis ao Booking

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião