Energia e BCP ditam perdas na bolsa de Lisboa

A praça lisboeta segue as perdas das pares europeias, condicionada pelo recuo dos títulos da Galp Energia, EDP Renováveis e BCP.

A bolsa nacional está em terreno negativo pela segunda sessão consecutiva, acompanhando o sentimento das pares europeias, numa altura em que os investidores revelam receios relativamente à guerra comercial. Em Lisboa, o PSI-20 está a ser condicionado pelo recuo dos títulos da Galp Energia, EDP Renováveis e BCP.

O PSI-20 desvaloriza 0,24%, para os 5.148,95 pontos, com a maioria dos títulos no vermelho. Na Europa, o Stoxx 6000 recua 0,2%, com os restantes índices europeus a acompanharem esse sentimento negativo, numa altura em que os investidores se revelam preocupados face ao rumo das negociações entre os EUA e a China sobre as tarifas comerciais.

A 15 de dezembro, entram em vigor tarifas aduaneiras sobre as exportações chinesas para os EUA, isto caso não haja um acordo entre as duas potencias económicas até lá. “Os mercados acionistas começam a acreditar que um acordo não será alcançado até essa data, mas que a introdução de novas tarifas será adiada. Mas neste ponto é impossível ignorar a imprevisibilidade de Donald Trump”, diz o BPI no seu diário de bolsa desta terça-feira.

Por Lisboa, a Galp Energia é o peso pesado mais penalizado. As ações da petrolífera recuam 0,72%, para os 14,405 euros, isto o dia em que o jornal espanhol El Confidential, diz que a Galp apresentou uma das ofertas mais elevadas pela unidade de energias renováveis da ACS, a Zero-E. “A petrolífera portuguesa terá de competir com os fundos Brookfield e Macquarie, assim como com a China Railway Group que também fez uma oferta”, diz o diário de bolsa do BPI.

Nota negativa ainda para o recuo de 0,52%, para os 19,25 cêntimos do BCP, cujas ações entretanto aliviaram, seguindo agora inalteradas nos 19,35 cêntimos.

Já a EDP Renováveis sofre um novo dia de perdas, com as suas ações a perderem 0,4%, para os 10 euros, exercendo pressão adicional sobre o PSI-20.

(Notícia atualizada às 8h22 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energia e BCP ditam perdas na bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião