Parlamento vai chamar presidente do Fundo de Resolução com caráter de urgência por causa do Novo Banco

  • Lusa
  • 11 Dezembro 2019

Perante a perspetiva de nova injeção de dinheiro do Estado no Novo Banco, foi aprovada uma audição a Luís Augusto Máximo dos Santos para "esclarecer” todas as questões.

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças aprovaram esta quarta-feira por unanimidade a audição, com caráter de urgência, ao parlamento do presidente do Fundo de Resolução, Luís Augusto Máximo dos Santos, requerida pelo Bloco de Esquerda (BE).

De acordo com a deputada Mariana Mortágua, autora do requerimento, perante a perspetiva de nova e relevante injeção de dinheiro do Estado no Novo Banco é “importante esclarecer” todas as questões que têm sido levantadas.

Entre elas, o BE quer saber sobre o acompanhamento que tem sido feito de todos os processos de venda de crédito malparado e a perspetiva de evolução das necessidades de “chamada de capital” até ao final do ano e de pedido de financiamento ao Estado em 2020.

Os bloquistas querem também que Máximo dos Santos explique a evolução das contas do Fundo de Resolução em 2019, uma vez que o último relatório conhecido é relativo a 2018, em particular no que diz respeito à sua disponibilidade financeira e perspetiva de evolução das receitas.

Mariana Mortágua referiu, a propósito, que se o histórico de contribuições para o fundo não for suficiente, face à injeção de capital esperada, tal poderá mesmo vir a pressupor a falência do Fundo de Resolução.

“Queremos também perceber como estão a ser geridas as carteiras do Novo Banco e quais são as prioridades do regulador”, disse a deputada do BE esta quarta-feira na Comissão de Orçamento e Finanças.

No requerimento, o BE lembra que no início do mês o Novo Banco apresentou as suas contas relativas ao terceiro trimestre onde era possível observar um aumento de 640 milhões de euros nas provisões que estimam o montante a compensar pelo mecanismo de capital contingente.

Desde a resolução do BES em 2014, refere, o Estado já injetou 5.180 milhões de euros no Fundo de Resolução sob forma de suposto empréstimo, sem qualquer plano de pagamento até 2046, que os injetou no Novo Banco.

Primeiro, continua, foram 3.900 milhões em 2014, no momento de resolução do BES, depois em 2017 é acordada a disponibilização de mais de 3.890 milhões de euros no âmbito do Mecanismo de Capital Contingente, dos quais foram já utilizados 1.941 milhões, 792 milhões de euros em 2017 e 1.149 milhões de euros em 2018.

O Estado foi chamado a financiar 1.280 milhões, 430 milhões em 2017 e 850 milhões em 2018, e está impedido de pedir mais de 850 milhões de euros ao ano por isso, de acordo com Mariana Mortágua, é necessário esclarecer que solução está prevista ser adotada.

No final do mês passado, o presidente do Novo Banco considerou hoje que quanto menos tempo durar a reestruturação do banco menos dinheiro custará.

O Novo Banco divulgou prejuízos de 572,3 milhões de euros nos primeiros nove meses deste ano, mais 46% do que mesmo período de 2018, justificados pelas perdas de 712,4 milhões de euros nos ativos tóxicos (crédito malparado, imóveis, seguradora GNB Vida) com que ficou do BES, que foram alvo de processos de reestruturação e vendas.

Perante estes resultados, o Jornal Económico noticiou que o Novo Banco pode pedir mais de 700 milhões de euros ao Fundo de Resolução. O valor final a ser injetado pelo Fundo de Resolução só será conhecido após o Novo Banco fechar as contas de 2019 (ou seja, já em 2020) e variará consoante o que aconteça até final do ano (perdas e custos com ativos e exigências de capital).

Segundo o Expresso, o Fundo de Resolução poderá ser chamado a injetar dinheiro no Novo Banco de uma só vez no próximo ano, uma solução que o Governo estará a avaliar, por até mediaticamente ser mais fácil de gerir, mas que o Ministério das Finanças verá com menos bons olhos devido ao impacto nas contas públicas.

Segundo informações obtidas pela Lusa, o Novo Banco vê com bons olhos essa possibilidade, em vez de receber o dinheiro a ‘prestações’.

Aquando da venda do Novo Banco ao fundo Lone Star, em outubro de 2017, foi acordado um mecanismo pelo qual o Fundo de Resolução compensa perdas do Novo Banco num determinado conjunto de ativos (crédito malparado, imóveis), até ao valor de 3,89 mil milhões de euros, pelo que o banco ainda poderá receber mais 1.900 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento vai chamar presidente do Fundo de Resolução com caráter de urgência por causa do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião